Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 20 de October de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Ansiedade pode estimular e acelerar o início da doença de Alzheimer

Por Not. ao Minuto
Publicado em 27 de novembro de 2020 às 05:26H

Compartilhe:

Um novo estudo aponta que a ansiedade está associada a um aumento da taxa de progressão do deterioramento neurológico, desde o comprometimento cognitivo considerado ligeiro à instalação total da doença de Alzheimer, um dos tipos de demência mais comuns.

A ansiedade tem sido frequentemente observada em indivíduos que apresentam algum tipo de comprometimento cognitivo, apesar do seu papel na progressão da doença ainda não ser totalmente compreendido.

MariaSpampinato, professora na Medical University of South Carolina (MUSC), nos Estados Unidos, e principal autora do novo estudo, disse em comunicado à imprensa: “sabemos que a perda de volume em certas áreas do cérebro é um fator que prediz a progressão da doença de Alzheimer”.

“Neste estudo quisemosperceber se a ansiedade tinha um efeito na estrutura do cérebro, ou se o efeito da ansiedade era independente da estrutura cerebral que favorece a progressão da doença”.

A pesquisa incluiu 339 pacientes, com uma idade mediana de 72 anos, que haviam sido diagnosticados com déficit cognitivo ligeiro; 72 progrediram para doença de Alzheimer enquanto 267 permaneceram estáveis.

Os pesquisadores obtiveram exames de MRI do cérebro para determinar os volumes do hipocampoe do córtex entorhinal, duas áreas importantes para a formação de memórias.

Adicionalmente,testaram a presença do alelo Apoe4, o fatorde risco genético mais prevalecente para o aparecimento de Alzheimer. Já os níveis de ansiedade foram determinados através de questionários médicos.

Conforme era esperado, os pacientes que vieram a sofrer de Alzheimer registaram volumes no hipocampoe no cortex enotorhinal”significativamente mais baixos” e uma maior predominância do aleloApoe4.

Todavia, mais notavelmente, os pesquisadores descobriram que a ansiedade foi independentemente associada ao declínio cognitivo.

Jenny Ulber, estudante de medicina na MUSC e uma das pesquisadoras envolvida na pesquisa afirmou: “pacientes com déficit cognitivo ligeiro com sintomas de ansiedade desenvolveram a doença de Alzheimer mais rapidamente, comparativamente aos indivíduos sem ansiedade, independentemente de terem um fatorgenético de risco para Alzheimer ou perda de volume no cérebro”.

A professora Spampinatoacrescentou: “ainda não sabemos se a ansiedade é um sintoma – por outras palavras, a memória está a piorar e os pacientes ficam ansiosos – ou se a ansiedade contribui para o declínio cognitivo”.

O estudo foi baseado em exames de ressonância magnética feitos num ponto específico no tempo. Em pesquisas futuras, a equipe gostaria de estudar exames de ressonânciamagnética obtidos após o exame inicial, de modo a melhor entender a conexão entre ansiedade e a estrutura do cérebro.

Os dados apurados irão ser apresentados no encontro anual da Sociedade de Radiologia da América do Norte (RSNA).

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend