Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 28 de October de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Projeto que libera FGTS para quem se demite preocupa governo

Por Estadão
Publicado em 12 de abril de 2018 às 14:26H

Compartilhe:

Hoje, trabalhadores podem sacar o saldo do FGTS nas ocasiões de: demissão sem justa causa, aposentadoria, compra da casa própria ou doenças graves Foto: Daniel Teixeira/Estadão

A aprovação em comissão do Senado de um projeto de lei que permite ao trabalhador que pede demissão sacar integralmente o saldo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) acendeu um alerta no governo, que considera que a medida tem potencial para “acabar” com o fundo dos trabalhadores.

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, o governo busca traçar uma estratégia para barrar a proposta, aprovada ontem na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado. A medida é considerada uma “irresponsabilidade”.

Hoje os trabalhadores podem sacar o saldo do FGTS nas ocasiões de: demissão sem justa causa, aposentadoria, compra da casa própria ou doenças graves.

Pelo texto aprovado na CAS, trabalhadores que pedem demissão porque receberam outra proposta, por exemplo, poderiam sacar todo o saldo do seu fundo de garantia. A proposta foi apresentada pela senadora Rose de Freitas (Podemos-ES). A avaliação no governo é que isso geraria um esvaziamento do FGTS, cujos recursos são usados para financiar políticas de habitação e saneamento.

Como o projeto foi apreciado em caráter terminativo na comissão, caso não haja apresentação de recurso para análise do tema no plenário do Senado, o texto seguirá diretamente para apreciação na Câmara dos Deputados. A intenção do governo, porém, é barrar a tramitação.

O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), José Carlos Martins, classificou o projeto de “demagógico” e “eleitoreiro”. Ele avaliou que a proposta não deve prosperar no Congresso Nacional. “Não tem sentido, quebra o FGTS no dia seguinte. As pessoas deveriam fazer contas e ter responsabilidade ao tratar de algo tão sério quanto o FGTS”, disse. Inclusive a própria votação foi feita num cochilo do governo, que não tinha base na hora”, afirmou.

Atualmente, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) já prevê o resgate de 80% do FGTS em casos de demissão por acordo entre patrão e empregado.

 

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend