Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 16 de April de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Agência americana revisará processos de barragens da Vale

Por Noticias ao minuto
Publicado em 14 de fevereiro de 2019 às 13:14H

Compartilhe:

US Corps of Engineers é responsável por supervisão dessas construções nos Estados Unidos.

© REUTERS

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, afirmou nesta quinta-feira (14) que a agência americana US Corps of Engineers será responsável por revisar todos os processos de barragens da mineradora após o desastre em Brumadinho (MG).

“A Vale humildemente reconhece que seja lá o que a gente vinha fazendo, não funcionou”, afirmou em depoimento à comissão externa da Câmara que trata da tragédia.

A agência americana também poderá colaborar em melhorias do código de mineração. O US Corps of Engineers  é responsável pelas avaliações de risco das barragens nos Estados Unidos.

O rompimento da barragem em 25 de janeiro deixou, até o momento, 166 mortos e 155 desaparecidos.

Segundo Schvartsman, a mineradora “não pode ser condenada por um acidente, por maior que tenha sido a tragédia”.

O presidente da empresa afirmou ainda que a barragem não apresentava risco iminente de rompimento e que teria sido a primeira vez que uma estrutura desativada -como estava a de Brumadinho, desde 2015– se rompeu.

Schvartsman também afirmou que os gestores locais têm autonomia para tomar decisões em caso de perigo iminente, sem passar por outras instâncias da empresa.

A Folha de S.Paulo revelou que o plano de emergência da barragem previa que, em caso de rompimento da barragem, a lama destruiria as áreas industriais da mina de Córrego do Feijão, incluindo o restaurante e a sede da unidade.

O relatório é usado pelo Ministério Público de Minas Gerais em ação civil pública em que pede a adoção de medidas imediatas para evitar novos desastres, já que dez barragens, incluindo a de Brumadinho, estariam em situação de risco, segundo o documento da própria mineradora.

A Vale questiona a Promotoria e diz que o estudo indica estruturas que receberam recomendações de manutenção, as quais já estariam em curso. A empresa defende ainda que a barragem de Brumadinho não corria risco iminente.

Após o rompimento, os rejeitos de minério de ferro atingiram uma área administrativa da empresa, onde havia cerca de 300 funcionários e colaboradores, e também uma zona residencial de Brumadinho.

O rompimento liberou cerca de 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos, que entraram no rio Paraopeba.A estimativa é a de que esse volume represente um quarto do que foi liberado no acidente com a barragem de Fundão, em Mariana, que pertencia à Samarco, empresa controlada pela Vale e pela BHP Billiton.

Na ocasião, em novembro de 2015, 19 pessoas morreram, e milhares foram atingidas pelos estragos do rastro de lama, que contaminou o rio Doce e chegou até o litoral do Espírito Santo, matando animais e prejudicando o abastecimento de água. Com informações da Folhapress.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend