Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 15 de January de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Dependente da energia da Venezuela, Roraima teme retaliação de Maduro

Por Noticias ao minuto
Publicado em 25 de janeiro de 2019 às 15:03H

Compartilhe:

Dependente da energia da Venezuela, Roraima teme retaliação de Maduro.

© Reuters / Ueslei Marcelino

Se o ditador Nicolás Maduro retaliar o governo brasileiro por ter reconhecido o oposicionista Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, uma parte do Brasil pode ficar às escuras: Roraima.

Além de ver aumentar o número de refugiados que se tornaram um problema grave na fronteira e na capital Boa Vista, o estado ainda depende da energia elétrica fornecida pela Venezuela.

Roraima é o único território brasileiro que não faz parte do Sistema Interligado Nacional. A construção de um linhão com essa finalidade está parada por conta de uma disputa judicial que envolve uma reserva indígena.

Mais de metade da energia consumida no estado é fornecida pela hidrelétrica de Guri, no norte da Venezuela. O restante vem de algumas termelétricas locais.

Com a falta de manutenção na rede elétrica da Venezuela provocada pela crise econômica, Roraima já vem sofrendo com constantes blecautes, que costumam queimar os eletrodomésticos da população.

O receio agora é ficar totalmente sem luz ou passar por um pesado racionamento se houver retaliação. A situação é preocupante, porque a receita paga por Roraima é pequena para a Venezuela. É diferente, por exemplo, da interdependência entre Brasil e Bolívia no gás natural.

No ano passado, a estatal venezuelana Corpoelec chegou a ameaçar cortar o fornecimento de energia de Roraima alegando o não-pagamento de uma dívida.

O governo brasileiro, ainda na gestão de Michel Temer, iniciou o processo de licitação para a construção de mais uma termelétrica no estado, em uma tentativa de reduzir a dependência da Venezuela. Mas a expectativa é que ainda demore.

“O leilão está previsto para acontecer em maio, mas, na hipótese mais otimista, a usina vai levar seis meses para ficar pronta. Esse não é um problema que se resolve no curto prazo e deveria ter sido previsto bem antes”, diz Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

A cooperação entre os dois países na área energética é antiga. Começou em 2001 e foi acertada entre os então presidentes Hugo Chávez, da Venezuela, e Fernando Henrique Cardoso, do Brasil. Evoluiu ainda mais durante a gestão do ex-presidente Lula, amigo próximo de Chávez.

Excluindo o risco para Roraima no setor elétrico, o agravamento da crise na Venezuela não deve ter maiores consequências econômicas para o restante do Brasil -o que poderia acontecer de ruim, já ocorreu.

As grandes obras que costumavam ser tocadas por empreiteiras brasileiras estão praticamente abandonadas. No ano passado, o governo venezuelano deu um calote de R$ 1,5 bilhão no BNDES, que financiava os projetos. O rombo teve que ser coberto pelo Tesouro Nacional, conforme previsto em contrato.

O intercâmbio comercial entre Brasil e Venezuela, que foi pujante, também quase desapareceu. Em 2008, auge da bonança do petróleo, o Brasil chegou a exportar R$ 5,1 bilhões para a Venezuela, o que significava 2,6% das vendas totais.

No ano passado, as empresas brasileiras embarcaram apenas R$ 577 milhões para os venezuelanos, o que representa menos de 0,2% da exportação total. Para especialistas, vai demorar muito para que esse fluxo de comércio seja restabelecido. Além de um eventual troca de governo, a Venezuela vai precisar se reerguer da profunda recessão e controlar a inflação galopante para voltar a atrair empresas que queiram fazer negócios por lá. Com informações da Folhapress.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend