Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 17 de April de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Economistas divergem sobre reforma da Previdência em comissão na Câmara

Por iG
Publicado em 29 de março de 2017 às 09:58H

Compartilhe:

Economistas divergiram nesta terça-feira (28) em comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016, que prevê a reforma da Previdência brasileira. Os especialistas discutiram a necessidade das alterações da forma como defende o governo e, enquanto alguns consideraram que o País já está “atrasado” neste assunto, outros afirmam que a proposta fere a “igualdade e a segurança jurídica”.

Para o economista Marcos Lisboa, presidente do Instituto de Estudo e Pesquisa (Insper), o problema da Previdência não é o deficit, que segundo o governo soma R$ 77 bilhões serviço público e cerca de R$ 150 bilhões no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). De acordo com ele, o principal fator em questão é o crescimento da população idosa e a diminuição da população no mercado de trabalho.

Divulgação Texto da reforma da Previdência prevê idade mínima de 65 anos e 25 anos de contribuição trabalhador se aposentar Fonte: Economia - iG @ http://economia.ig.com.br/2017-03-28/economistas-reforma-previdencia.html

Divulgação
Texto da reforma da Previdência prevê idade mínima de 65 anos e 25 anos de contribuição trabalhador se aposentar

“A população em idade de trabalhar vai diminuir 6,7% até 2060. A população acima de 65 anos vai aumentar 262% no mesmo período. O total de pessoas com mais de 80 anos vai ser multiplicado por dez. Uma reforma da Previdência é sempre longa. Tem que levar em conta o direito adquirido. Nós já estamos atrasados”, argumentou.

Para o economista Fabio Giambiagi, superintendente na área de Planejamento e Pesquisa do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o que está sendo gasto com aposentadorias precoces poderia ser utilizado em outras políticas públicas. “A Previdência Social é uma das políticas. Há uma série de outras, estranguladas pelas aposentadorias precoces”, disse.

Giambiagi sugeriu a negociação de pontos da PEC entre governo e parlamentares. “Alguns componentes são passíveis de negociação. Na minha avaliação, a base de 51% é um convite à negociação, para que o componente passe para 55%. Assim, uma pessoa que começa a trabalhar aos 20 anos, ao se aposentar aos 65, teria direito à aposentadoria integral”, disse.

A proposta atual prevê que a idade mínima para a aposentadoria passe a ser 65 anos com, no mínimo, 25 anos de contribuição e um piso de 51% do benefício. Para ter direito à aposentadoria integral, o trabalhador precisaria contribuir por 49 anos.

Receitas

A economista Denise Gentil, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é contrária à PEC 287 e disse que o governo poderia resolver este problema do ponto de vista de buscar novas receitas, em vez de sugerir o corte de benefícios.

“Vamos considerar que o governo vai combater a sonegação fiscal e recuperar a dívida ativa previdenciária. Vamos supor que o governo, em vez de aumentar a alíquota da DRU [Desvinculação dos Receitas da União, que retira parte dos recursos da Previdência] vai recuar de 20% para 15%”. A economista ainda criticou o Ministério da Fazenda que, segundo ela, não divulgou microdados que serviram de base para as mudanças na Previdência propostas na PEC.

O juiz Victor Roberto Corrêa de Souza, representante da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) disse estar preocupado com eventuais ações judiciais caso a proposta do governo seja aprovada nos termos atuais. “Alguns dispositivos [da proposta] ferem a igualdade e a segurança jurídica”, disse.

A comissão especial da reforma da Previdência ouvirá nesta quarta-feira (29) o economista Márcio Pochmann, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Na quinta-feira (30) será a vez do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, responder às perguntas dos parlamentares.

* Com informações da Agência Brasil.

 

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend