Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 25 de October de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Entenda os próximos passos da denúncia contra Temer

Por Noticias ao minuto
Publicado em 14 de julho de 2017 às 10:48H

Compartilhe:

Rito de votação foi definido em reunião, nessa quinta-feira (13), entre o presidente da Câmara e líderes partidários.

Depois que o relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-PR), sobre a denúncia de corrupção passiva contra o presidente da República, Michel Temer, foi rejeitado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), nessa quinta-feira (13), o processo segue para votação no plenário da Câmara, o que ocorrerá no dia 2 de agosto.

O rito de votação também foi definido ontem, durante uma reunião entre o presidente da Casa, Rodrigo Maia, e líderes partidários. Confira o que ficou acertado:

Primeiro, a defesa de Temer terá 25 minutos para se manifestar. Depois, será a vez de o relator do parecer vencedor na CCJ, Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), ter outros 25 minutos para apresentar o voto.

Começará, então, a discussão entre os deputados inscritos. Pelo regimento, um requerimento para encerrar a fase de debates poderá ser votado, após dois parlamentares terem falado contra a denúncia e outros dois a favor.

Assim que for atingido o quórum de 342 deputados, começará a votação. O objetivo da espera por este quórum, segundo Maia, é evitar que a votação seja judicializada e questionada no Supremo Tribunal Federal.

O líder da minoria, deputado José Guimarães (PT-CE), afirmou que a data definida é ruim para o governo. “Dá tempo para o país se mobilizar e conhecer relatório. Se o governo cedeu na data é porque sabe que não tem votos para dar o quórum de 342. Essa situação pode se agravar ainda mais”, disse Guimarães.

Já o líder do governo, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), não considera o adiamento da votação para agosto como uma derrota do Planalto. Para Ribeiro, o importante era conquistar a vitória na CCJ.

“Do ponto de vista nosso, o importante era ter a vitória na Comissão de Constituição e Justiça em cima de um relatório que já tinha sido demonstrado muito frágil. Então nós vencemos essa etapa que é importante”, disse o líder.

Será autorizada a instauração do processo no Poder Judiciário se 342 parlamentares, dos 513 que compõem a Casa, votarem pelo prosseguimento da denúncia. A votação será nominal, pelo processo de chamada dos deputados. Estes devem responder “sim” ou “não”, e os votos serão lidos em voz alta.

Em caso de recusa, o efeito ainda é incerto, segundo a assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal (STF), e pode ser definido pelos ministros ao analisar esse caso específico.

Conforme a Constituição, quando o presidente da República é acusado por crime comum, o julgamento cabe ao STF, mas é preciso a autorização da Câmara antes.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend