Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 23 de January de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Número de CPFs negativados cresce 1,5 milhão no 1º semestre

Por MSN
Publicado em 11 de julho de 2017 às 13:16H

Compartilhe:

Com a recuperação lenta da atividade econômica e do emprego, o número de consumidores inadimplentes aumentou no primeiro semestre do ano. De acordo com dados da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e do SPC Brasil, a quantidade de CPFs negativados no País chegou a 59,76 milhões no final de junho, um volume 1,5 milhão superior ao do final do ano passado e equivalente a 39,6% da população com idade entre 18 e 95 anos.

Contra junho do ano passado, porém, há uma redução de 0,83%. “A estimativa de devedores vem se mantendo próxima ao patamar dos 59 milhões desde o segundo trimestre do último ano. Isso acontece porque, se as dificuldades do cenário recessivo fazem crescer o número de devedores, a maior restrição do crédito e queda na propensão do consumo por parte das famílias agem na direção contrária, limitando o crescimento da inadimplência”, avaliou o presidente da CNDL, Honório Pinheiro.

A inadimplência é mais forte no grupo de consumidores que têm entre 30 e 39 anos. Segundo o levantamento da entidade, mais da metade dessa população (50,44%) estava com o nome incluído em listas de proteção ao crédito, num total de 17,2 milhões de pessoas. A inadimplência também é alta nos grupos de 40 a 49 anos (47,79%) e de 25 a 29 anos (46,58%).

“Assumindo que a economia e o consumo irão se recuperar de forma lenta e gradual, a estimativa deve permanecer ainda oscilando em torno dos 60 milhões de negativados ao longo dos próximos meses, sem mostrar um avanço expressivo”, completou Pinheiro.

A maior parte dos devedores está na região Sudeste, com 25,8 milhões de negativados, ou 39,45% da população adulta nesses Estados. Em seguida, aparece o Nordeste, com 15,7 milhões de inadimplentes, ou 39,4% dos consumidores. O Sul tem 7,9 milhões de negativados (35,31% dos CPFs), o Norte tem 5,4 milhões de devedores (45,98% da população adulta) e o Centro-Oeste aparece com 5 milhões de inadimplentes (43,32% dos consumidores).

Dívidas. Já o volume das dívidas caiu 5,34% em junho em relação ao mesmo mês do ano passado. Além disso, todos os setores apresentaram redução no número de pendências nessa comparação.

A maior queda de dívidas ocorreu com o setor de comunicação (-13,13%) seguido pelo comércio (-4,46%), os bancos (-2,57%) e os serviços básicos de água e luz (-1,18%).

Os bancos ainda seguem como os maiores credores de dívidas em atraso no País, concentrando 48,54% do total. Em seguida, aparecem o comércio (20,42%), comunicação (13,81%) e água e luz (7,96%).