Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 21 de April de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Polícia Federal cumpre 22 prisões em nova fase da Lava Jato

Por Noticias ao minuto
Publicado em 23 de novembro de 2018 às 14:45H

Compartilhe:

É a primeira estapa da força-tarefa autorizada pela juíza Gabriela Hardt, que substituiu Sérgio Moro.

© Sergio Moraes / Reuters / Imagem de arquivo

Na 56ª fase da Operação Lava Jato, a Polícia Federal cumpre nesta sexta-feira (23) 22 mandados de prisão por desvios na construção da sede da Petrobras na Bahia.

Valdemir Garreta, ex-dirigente petista e responsável pelo marketing de campanhas eleitorais do partido, é um dos presos. Ele foi alvo de prisão temporária, que tem duração de cinco dias, em São Paulo.

É a primeira fase da Lava Jato autorizada pela juíza Gabriela Hardt, que substituiu Sergio Moro na 13 Vara Federal de Curitiba.

O prédio, apelidado de Torre Pituba, foi construído com recursos da Petros, fundo de pensão dos funcionários da estatal, com a finalidade de ser alugado pela companhia.

São 22 andares, que foram alugados pela Petrobras a partir de 2015. O aluguel mensal era estimado em R$ 5,4 milhões. O contrato com a Petros tem validade de 30 anos, no valor total de R$ 1,4 bilhão, conforme mostrou reportagem da Folha de S.Paulo.

 

Segundo a PF, os valores (tanto do aluguel quanto da construção) foram superfaturados “para viabilizar o pagamento de vantagens indevidas para agentes públicos da Petrobras e dirigentes da Petros”.

O prédio foi construído pelas empreiteiras OAS e Odebrecht -ambas investigadas na Lava Jato.

A operação desta sexta foi batizada de Sem fundos, numa alusão ao “saco sem fundos” de crimes investigados na Lava Jato, segundo a PF.

Os mandados estão sendo cumpridos nos estados da Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Segundo o procurador Roberson Pozzobon, os crimes ocorreram entre 2009 e 2016. São investigados os crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de fundo de pensão e organização criminosa.

OUTRO LADO

Danyelle Galvão, advogada de Garreta, diz que a defesa “não teve acesso aos autos, tampouco aos fundamentos da decisão e que já havia se colocado à disposição para prestar esclarecimentos no início deste ano”. Com informações da Folhapress.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend