Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 09 de May de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Butantan detecta três novas variantes do coronavírus em São Paulo

Por SBT News
Publicado em 27 de abril de 2021 às 00:40H

Compartilhe:

Pesquisadores do Instituto Butantan detectaram, pela primeira vez em São Paulo, a presença da variante sueca do novo coronavírus e outras duas novas cepas do vírus SARS-Cov-2, causador da covid-19, no estado. Segundo o Butantan, as mutações foram encontradas na Baixada Santista, em Itapecerica da Serra e no município de Jardinópolis, localizado a 332 km da capital paulista.

De acordo com os pesquisadores, a mutação sul-africana, B.1.351, foi detectada na Baixada Santista e é considerada uma “variante de preocupação” devido ao seu potencial de transmissão. Já a cepa B.1.318, encontrada na Suécia e também no Reino Unido, é classificada como uma “variante de interesse”, que deve ser observada com atenção, embora não tenha ligação com o agravamento da pandemia.

Para o instituto, ainda não é possível afirmar se as variantes detectadas são mais transmissíveis ou mais agressivas que as cepas brasileiras, como P1 e a P2.  

Identificação das variantes

Em nota, o Butantan explicou que as detecções foram feitas durante a semana epidemiológica, isto é, no período em que instituto realiza a vigilância de novas variantes por meio do sequenciamento genômico de parte das amostras positivas diagnosticadas nos laboratórios. 

A identificação e o mapeamento de novas variantes da covid-19 é outra frente de atuação do Butantan na pandemia. Segundo o instituto, a partir das descobertas de novas cepas, os pesquisadores analisam como as mutações se comportam em relação ao estado clínico, qual sua relevância no contexto da pandemia e de que forma a CoronaVac é capaz de combatê-las.

Com a identificação, novos estudos são realizados para elaboração de novas vacinas, como por exemplo, a ButanVac. Além disso, o instituto ressalta que, se houver necessidade, ocorre a atualização de vacinas já existentes, como no caso da CoronaVac. 

“Esses estudos mostram que tem muita variante em São Paulo. Precisamos de políticas de contenção e respeitar o distanciamento para que a gente não fique espalhando variantes”, explica a vice-diretora do Centro de Desenvolvimento Científico do Instituto Butantan, Maria Carolina Quartim Barbosa Elias Sabbaga.

Eficácia da CoronaVac diante das novas variantes

De acordo com o estudo divulgado pela farmâceutica chinesa Sinovac, parceira do Butantan na produção da CoronaVac, a vacina é eficaz contra a mutação D614G do vírus SARS-CoV-2, que atualmente predomina no mundo, e às linhagens B.1.1.28 (da qual derivam as variantes P.1, amazônica, e P.2, surgida no Rio de Janeiro) e B.1.1.33 (da qual deriva a variante N9).

Ainda segundo o Butantan, dados iniciais de um estudo realizado em parceria com o Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP), apontam que o imunizante produzido pelo instituto é capaz de combater as variantes P.1 (também conhecida como amazônica) e P.2 (do Rio de Janeiro).

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend