Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 25 de October de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Clínicas particulares vão à Índia negociar compra de vacina contra Covid

Por Folha
Publicado em 03 de janeiro de 2021 às 23:48H

Compartilhe:

Uma comitiva formada por representantes de clínicas particulares de vacinação embarca nesta segunda-feira (4) para a Índia para negociar a compra de 5 milhões de doses da vacina indiana conta a Covid-19, chamada Covaxin. A afirmação foi dada pelo presidente da ABCVac (Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas), Geraldo Barbosa, em entrevista à Globonews.

A comitiva, que só deve retornar ao Brasil no dia 10, segundo ele, irá vistoriar o produtor da vacinas para saber qual a capacidade de fornecimento.

De acordo com o presidente da associação, que afirma representar 70% das clínicas particulares do país, a negociação se dá com o laboratório indiano Bharat Biotech. Neste domingo, as autoridades do país asiático aprovaram o uso emergencial da vacina, que está na fase três de testes (quando a eficácia precisa ser comprovada).

A comercialização de vacinas depende de autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Barbosa, disse que a expectativa é que o resultado dessa fase seja divulgado ainda em janeiro, o que levaria o laboratório a entrar com o pedido de registro na Anvisa em fevereiro.

“Inicialmente, a notícia era de que as clínicas privadas brasileiras não teriam doses disponíveis, porém, com a entrada desse novo ‘player’ no mercado, tivemos a oportunidade de negociação”, afirmou Barbosa, em nota.

“A ideia é conhecer se a capacidade de fornecimento existe e se não vai gerar uma expectativa frustrada no futuro”, afirmou. “Mas, segundo as tratativas, teremos uma vacina na rede privada em 2021, com certeza”, disse o executivo, na entrevista à emissora.

No início de dezembro, Barbosa já havia dito que havia a expectativa de que as clínicas particulares poderiam começar a fornecer vacinas no segundo semestre. “A gente está brigando para ter um pouco a mais que as 5 milhões de doses ofertadas inicialmente”, disse Barbosa neste domingo.

O presidente da associação disse que a compra não inclui seringas e agulhas. “A vacina não vem pronta para uso, vamos depender de insumos que vamos negociar, mas ter o imunizante já é um grande passo.”

O executivo afirmou que na viagem poderá ter uma noção de qual preço será cobrado ao consumidor. Ele evitou dar prazos. “Os processos de importação para o privado são mais rápidos e tem menos burocracia, mas isso só vai acontecer no momento em que a Anvisa der o sinal verde, de que o produto está liberado para a comercialização”, afirmou.

“Estamos muito felizes em ter a chance real de contribuir com o governo na cobertura vacinal, utilizando da saúde suplementar para desafogar os gastos públicos”, completou a nota do executivo.

Segundo a ABCVAC, a vacina já foi aplicada em 26 mil voluntários de 22 localidades na Índia. Foram duas doses, com intervalo de duas semanas entre elas, sem eventos adversos graves relacionados a ela.

Em nota, a Anvisa disse que clínicas particulares precisam aguardar a autorização das vacinas no Brasil. “O registro da agência avalia segurança e eficácia. Uma vez aprovado, o produto pode ser colocado no mercado” diz.

Segundo o texto, apenas os laboratórios podem pedir o uso emergencial, “pois são os desenvolvedor” e não as clínicas.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend