Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 28 de January de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Baixo estoque de equipamentos de proteção preocupa hospitais

Por Dol
Publicado em 03 de abril de 2020 às 09:50H

Compartilhe:
Anahp informa que produtos como máscaras, luvas cirúrgicas e álcool em gel dos estoques de 122 hospitais podem acabar em até 60 dias | Olga Leiria

Hospitais privados voltaram a alertar o governo sobre a diminuição dos estoques de equipamentos de proteção individual (EPIs), como máscaras e luvas cirúrgicas e álcool em gel, além de máscaras N95, de estrutura mais robusta.

Em meio à pandemia do novo coronavírus, a questão foi levada ao Ministério da Saúde por representantes da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), que reúne 122 hospitais, em reunião na quarta-feira (1º).

Segundo a Anahp, a situação se agravou nas últimas duas semanas: 75% de seus hospitais associados relataram que seus estoques vão acabar em menos de um mês e 20% deles afirma que sequer têm estoques. Os outros 5% têm equipamentos que devem durar entre 30 e 60 dias.

O presidente da associação, o doutor Eduardo Amaro, afirma que a produção local desses equipamentos “é uma das alternativas mais rápidas e seguras para que o setor consiga garantir o atendimento à população neste momento e preservar os seus profissionais”.

RESPIRADORES

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou, também nesta quinta-feira, a assinatura de contrato de R$ 1,2 bilhão para compra de respiradores. Ele disse também que o governo já tem esquema de logística montado para buscar equipamentos de combate ao novo coronavírus na China. As informações foram apresentadas após reunião com o procurador-geral da República, Augusto Aras. O ministro não informou quantos equipamentos serão adquiridos.

No encontro, eles assinaram um acordo para integrar o trabalho dos Ministérios Públicos Federal e dos Estados com o Ministério da Saúde e os conselhos de secretários estaduais e municipais de Saúde.

Mandetta explicou que tem enfrentado dificuldades para encontrar empresas que estejam vendendo máscaras, luvas e outros materiais de seguranças.

“Se tiver necessidade de buscar lá fora, o ministro Tarcísio [de Freitas, da Infraestrutura] já está preparado para a logística internacional”, afirmou.

O ministro ressaltou que, para comprar os respiradores, teve dificuldade. “Conseguimos fazer uma compra. Quem ficou em primeiro e em segundo na concorrência avisou que não conseguiria fazer a entrega. Tivemos de comprar da empresa que ficou em quinto lugar e prometeu entregar em 30 dias”, disse.

Segundo Mandetta, 90% dos EPIs do mundo são produzidos na China. O ministro também garantiu que não há risco no momento de desabastecimento de EPIs na rede pública de saúde.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend