Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 16 de January de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Justiça nega pedido para que restrições sejam mais rigorosas no Pará

Por ORM
Publicado em 30 de abril de 2020 às 04:18H

Compartilhe:
A crise afetou profundamente a rotina dos moradores do estado

A Justiça Federal indeferiu, nesta quarta-feira (29), liminar pedida pelo Ministério Púbico Federal (MPF) e pela Defensoria Púbica da União (DPU), para que fossem impostas restrições mais rigorosas que as previstas em decreto do governo do Pará, para evitar a expansão acelerada do contágio por Covid-19 em todo o território paraense, onde já morreram 156 pessoas por causa da doença, de acordo com números oficiais.

“O isolamento total, inclusive de todas as atividades econômicas, sem a mais extrema necessidade, pode ter consequências econômicas desastrosas e imprevisíveis, em especial aos pequenos e médios empresários, acarretando uma maior concentração de renda, desemprego, monopólios regionais, talvez irreversíveis a curto e médio prazo”, argumenta na decisão o juiz federal Carlos Gustavo Chada Chaves, da 5ª Vara.

Os autores da ação citam estudo de pesquisadores que, a pedido do MPF, analisaram o Decreto nº 609, editado pelo governo do estado, e avaliaram que o número real de casos ativos da doença em todo o Pará pode ser cerca de oito vezes maior que os números oficialmente divulgados. Além disso, a análise indica “a necessidade de ampliar sobremaneira o isolamento social e de maneira imediata, já que, em pandemias, cada dia significa um acúmulo brutal de mortes e novas contaminações.”

O juiz, por sua vez, observa que a política pública do Estado para o enfrentamento da pandemia também está respaldada por estudos técnicos e “não pode o Poder Judiciário, em princípio, decidir acerca de questões em que se observa o juízo de conveniência e oportunidade da Administração, invadindo área de atuação do Poder Executivo.”

O magistrado menciona a Nota Técnica da Secretaria de Saúde do Pará (Sespa), que se fundamenta em boletins epidemiológicos com dados minuciosos sobre a situação da doença no estado e recomendações sobre medidas a serem seguidas, inclusive as que se referem ao isolamento social.

O juiz avalia que o isolamento deve ser criterioso e adaptado à realidade da região. “Atitudes apaixonadas ou sem levar em consideração critérios outros que não sejam o impedimento à proliferação do vírus, embora em um primeiro momento possam agradar à mídia e à sociedade, em longo prazo, podem se mostrar absolutamente desastrosos principalmente ao tipo de economia característica da região, primordialmente desenvolvida por trabalhadores informais ou de micro porte”, afirma o magistrado.

O juiz ressalva que, embora considere necessárias medidas de contenção da proliferação do vírus, “tais medidas de contenção devem levar em consideração outros fatores importantes à sociedade como um todo e que também não podem ser desconsideradas pelo administrador, escolhido pelo voto da maioria como condutor da coisa pública. Neste ponto, não consigo vislumbrar nenhuma mácula no decreto atacado”, concluiu.

A ação prosseguirá normalmente, cabendo ao estado do Pará, se quiser, apresentar a contestação e os autores, a réplica. A 5ª Vara também deverá apreciar pedido para o ingresso da Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa) na lide.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend