Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 10 de April de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Talude de mina em Barão dos Cocais (MG) pode se romper até dia 25, diz ANM

Por MSN
Publicado em 21 de maio de 2019 às 20:28H

Compartilhe:
© Reprodução Área onde fica localizada a Mina de Gongo Soco, no município de Barão de Cocais (MG)

A ANM (Agência Nacional de Mineração) informou nesta 2ª feira (20.mai.2019) que o rompimento do talude do complexo da Mina de Gongo Soco, da Vale, no município de Barão de Cocais (MG), deve acontecer até o próximo sábado (25.mai.2019). A barragem é do mesmo tipo da que se rompeu em Brumadinho, em 25 de janeiro.

Talude é 1 plano de terreno inclinado que limita 1 aterro e tem como função garantir a estabilidade do aterro.

Segundo a agência, que interditou o complexo na última 6ª feira (17.mai.2019), o talude norte da cava de Gongo Soco estava se deslocando 10 cm por ano desde 2012, 1 deslocamento aceitável dada a dimensão da estrutura. No entanto, desde o fim de abril, a velocidade do deslocamento aumentou para 5 cm por dia.

“Se esta aceleração continuar, o rompimento do talude pode acontecer entre os dias 19 e 25 de maio”, alertou.

De acordo com a ANM, dados da agência já indicam que, desde domingo (19.mai.2019), a velocidade de deslocamento do talude havia chegado a 7 cm por dia.

A agência já havia notificado a Vale e determinado que a empresa tomasse uma série de providências emergenciais, entre elas:

  • a suspensão imediata do tráfego do trem de passageiros no trecho do viaduto localizado a jusante [fluxo normal da água de um ponto mais alto para um ponto mais baixo] da cava;
  • o monitoramento por vídeo em tempo real das barragens;
  • a apresentação de estudo de comportamento da possível onda gerada pelo rompimento do talude norte.

Desde 2016, a cava e todas as obras já estavam paralisadas. Segundo a ANM, o risco de rompimento é do talude da cava e não da barragem, que fica a 1,5 km de distância da cava. A agência disse que a preocupação é que a vibração gerada pelo rompimento do talude influencie na segurança da barragem Sul Superior.

“Caso a vibração do impacto não chegue à barragem, a estrutura se manterá na condição atual, mas existe a possibilidade da ruptura ficar restrita ao interior da cava e não extravasar o material dentro dela [água e sedimentos], informou.

Caso haja rompimento da barragem, a ANM avalia que a onda de inundação chegaria em Barão de Cocais em cerca uma hora. A zona de auto salvamento – área onde não é possível realizar resgate imediato pela Defesa Civil – já foi evacuada desde fevereiro.

A Defesa Civil de Minas Gerais fez 1 mapeamento da área que pode ser atingida em caso de rompimento da barragem e dos pontos de encontro a serem utilizados pelos moradores da Zas:

EVACUAÇÃO DA REGIÃO

A barragem Sul Superior é uma das mais de 30 estruturas da Vale que foram interditadas após a tragédia de Brumadinho (MG).

Após os alertas, Barão de Cocais é o município com o maior número de casas evacuadas. A evacuação teve início no dia 8 de fevereiro quando a barragem Sul Superior atingiu o nível 2 e as famílias foram levadas para quartos de pousadas e hotéis custeados pela Vale.

Em 22 de março, a barragem Sul Superior se tornou a 1ª a atingir o nível 3, que é considerado o alerta máximo e significa risco iminente de rompimento. Desde a tragédia de Brumadinho, 4 barragens da Vale em Minas Gerais alcançaram esse alerta máximo.

De acordo com a Defesa Civil de Minas Gerais, 443 moradores da zona de autossalvamento deixaram suas residências. No dia 25 de março, 1 treinamento envolveu mais de 3,6 mil pessoas que vivem em áreas secundárias que seriam atingidas. Um novo simulado foi realizado no último sábado (18.mai.2019). 

MULTA À VALE

Na última 6ª feira (17.mai.2019), a juíza Fernanda Machado, da Vara de Barão de Cocais (MG), determinou que a Vale apresente em 72 horas 1 estudo dos impactos do rompimento das estruturas da Barragem Sul Superior. Além disso, decidiu elevar o teto de 1 multa aplicada à Vale para R$ 300 milhões.

A medida atendeu a 1 pedido do MP-MG (Ministério Público de Minas Gerais), que alegou que a mineradora não apresentou  estudo já solicitado pela Justiça sobre os impactos relacionados ao eventual rompimento das estruturas da Mina de Congo Soco. Conforme informações fornecidas pela empresa, a situação está pior.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend