Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 18 de January de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Brasil bate recordes de produção no campo, mas gasta quatro vezes mais que rivais com transporte

Por Estadão
Publicado em 13 de novembro de 2017 às 07:40H

Compartilhe:

Se o uso de tecnologia de ponta fez do Brasil o segundo maior exportador agrícola do mundo, a falta de investimentos em logística e infraestrutura deixa nas estradas parte dos ganhos com produtividade.

Segundo estudo da CNA, boa parte do entrave logístico deve-se à diminuição dos investimentos em infraestrutura de transportes. Foto: Foto: RAIMUNDO PACCÓ/FRAMEPHOTO

Se ano a ano o Brasil ostenta safras e cifras recordes no agronegócio – resultado do uso de tecnologia de ponta no campo –, os ganhos de produtividade são corroídos por uma infraestrutura logística cara e ineficiente. Com rodovias precárias, ferrovias subutilizadas e portos congestionados, o Brasil, segundo maior exportador agrícola, gasta no transporte de grãos quatro vezes o frete praticado por seus competidores no mercado internacional – Estados Unidos e Argentina.

Apesar do avanço das fronteiras agrícolas do chamado Arco Norte nos últimos anos, o escoamento da produção ainda se concentra nos portos do Sudeste e do Sul. Da lavoura ao porto, são quase 2.000 quilômetros percorridos por rodovias – boa parte em condições precárias.

A carência de infraestrutura adequada cobra caro. O custo médio para transportar uma tonelada de soja do município de Sorriso (MT) – coração da produção de grãos no País – até os Portos de Santos (SP) ou Paranaguá (PR) é de aproximadamente US$ 126. Já escoar a mesma carga por via terrestre até Miritituba (PA) e, de lá, por hidrovia até o Porto de Belém (PA) custa US$ 80 – um frete 36% mais barato.

“Só em Mato Grosso, esse sobrecusto representa uma perda de renda de US$ 1,2 bilhão por ano – são quase R$ 4 bilhões jogados no lixo. Imagine se esse dinheiro ficasse dentro do Estado, nas cadeias produtivas”, informa Luiz Antonio Fayet, consultor de logística e infraestrutura da Confederação para Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). “Hoje, um terço do preço da soja na mão do consumidor é custo logístico.”

Segundo estudo da CNA, apresentado com exclusividade durante fórum organizado pelo Estado, sobre o tema Logística e Infraestrutura no Agronegócio, boa parte do entrave logístico deve-se à diminuição dos investimentos em infraestrutura de transportes.

Nos últimos dez anos, em média, os investimentos em infraestrutura no País representaram somente 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com a instituição. Já outros países exportadores, como China, Índia e Rússia, investiram, respectivamente, 10%, 8,0% e 7,0% do PIB no setor.

Escoamento. Os entraves começam nas estradas, que escoam cerca de 60% da produção. “Na comparação com outros modais, o setor rodoviário foi o que mais progrediu, evoluindo para o critério de menor tarifa para as licitações”, diz Fayet. Ele observa, porém, que é preciso melhorar o atual estado de conservação das vias. “A BR-163 (que vai de Cuiabá a Santarém) deveria estar pronta há dez anos. Há muitos trechos sem pavimentação.”

A logística brasileira é ineficiente e cara. Isso não é uma análise, é uma constatação
Luiz Baldez, Presidente executivo da Anut

Já a malha ferroviária, muito explorada para o agronegócio em outros países, teve sua participação diminuída nas últimas décadas – sendo que, hoje, representa apenas 20% da carga transportada. Obsoletas, as ferrovias brasileiras têm apenas 30% da produtividade das americanas.

“O modal também é caracterizado pela concentração de mercado, que resulta em oferta de serviços reduzida e elevadas tarifas”, diz Fayet. Ele explica que, no modelo de outorga atual, a concessionária é responsável pela infraestrutura, operação e comercialização dos serviços.

Para o diretor-geral da Agência de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Luiz Macedo Bastos, “é preciso passar as ferrovias a limpo no Brasil”. O diretor executivo da Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF), Fernando Paes, diz que o governo federal precisa aproveitar o processo de renovação das concessões e resolver os passivos do setor. Segundo ele, alguns trechos deverão ser reativados e outros devolvidos, mas o importante é que haverá antecipação dos investimentos na melhoria das ferrovias.

“Apesar de o volume de mercadorias ter crescido nos últimos dez anos, isso se deve apenas ao minério de ferro. Excluindo a commodity, o número recuou”, diz o consultor. “É preciso, a partir a Ferrovia Norte-Sul, garantir a integração da rede nacional, que está toda segmentada, e fixar pelo menos 30% da capacidade para direito de passagem, ou seja, tráfego mútuo, permitindo o uso da malha por operadores independentes.”

Portos. Elo mais importante da infraestrutura logística, o funcionamento dos portos é determinante para o avanço do comércio exterior. Congestionados pela crescente demanda, os portos também arcam com excesso de burocracia, o que, segundo relatório da Confederação Nacional da Indústria (CNI), resulta em gasto adicional de R$ 2,9 bilhões a R$ 4,3 bilhões por ano.

De acordo com o coordenador-geral de Infraestrutura, Logística e Geoconhecimento para o setor agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Carlos Alberto Nunes Batista, direcionar grande parte dos grãos para os portos do Sul e Sudeste tem tido um impacto negativo na competitividade da exportação (ver arte nas págs. H2 e H3). “Os terminais de Santos e Paranaguá nem sempre conseguem atender às demandas no tempo necessário ao cumprimento dos contratos.”

A saída, diz ele, é intensificar os investimentos no corredor Norte. “Foram significativos os avanços alcançados nos últimos cinco anos, com a implantação do Terminal de Grãos do Maranhão e dos terminais de Barcarena (PA) e Santana (AP)”, afirma. “É de fundamental importância a expansão dos portos no Arco Norte, elevando o volume de exportação do sistema para 60 milhões de toneladas até o ano de 2025.”

Para Fayet, a solução dos gargalos logísticos virá de um trabalho conjunto do governo com as empresas. O diretor-geral da ANTT concorda: “O que puder ser passado para a iniciativa privada, o governo tem de passar. Temos de botar o pé no chão. É importante que o governo faça parcerias e o setor privado é fundamental para o desenvolvimento logístico”.

É mais importante investir na infraestrutura do que subsidiar sua ineficiência
Fábio Trigueirinho, Secretário executivo da Abiove
Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend