Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 22 de January de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Empresas captam valor recorde no mercado, mas só investem uma pequena parte dos recursos

Por G1
Publicado em 29 de dezembro de 2019 às 10:49H

Compartilhe:
Imagem do interior da B3, Bolsa de Valores de SP — Foto: Cris Faga/Estadão Conteúdo

A combinação de juros em queda com mudanças na política de concessão de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) levou as empresas brasileiras a uma busca recorde pelo mercado de capitais para se financiarem em 2019. Mas só uma pequena parcela do dinheiro captado tem sido usada para investimentos em produção e, consequentemente, movimentado a economia.

O capital privado é considerado fundamental para uma retomada consistente da atividade econômica devido à saturação do orçamento do setor público. Sob reformas para ajustar as contas e tentar voltar a fechar no azul, o governo tem as despesas limitadas pelo teto de gastos e não tem folga financeira para investir.

De janeiro a novembro deste ano, as emissões no Brasil somaram R$ 346,2 bilhões, segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O volume é recorde e engloba não apenas ações, mas debêntures, notas promissórias, letras de crédito, certificados de recebíveis imobiliários e do agronegócio (CRIs e CRAs) e fundos de investimento.

A maior parte dessa quantia foi levantada via debêntures: R$ 153,5 bilhões. As debêntures são títulos de dívida de empresas. Os investidores compram esses papéis para financiar as companhias e, em troca, são remunerados com juros – algo similar ao que ocorre com os títulos do Tesouro, vendidos pelo governo.

Do total arrecadado com emissões de debêntures até novembro de 2019, mais da metade (65,9%) foi destinada a capital de giro e refinanciamento de passivo (reestruturação de dívidas). O investimento em imobilizado, onde se enquadram os aportes para aumento de capacidade e novas tecnologias, só ficou com 0,4% dos recursos. Em 2018, a porcentagem era de 0,7%. Em 2016, chegou a 3,3%.

“A parcela que está sendo investida está muito baixa. Dois fatores têm inibido as empresas: a grande capacidade ociosa (em torno de 30%) e o nível de incerteza alto”, avalia Carlos Antonio Rocca diretor do Centro de Estudos de Mercado de Capitais da Fipe (Cemec-Fipe).

Uma fatia de 14,7% foi usada para investimentos em infraestrutura. Há uma classe especial para aportes em projetos desse tipo, as chamadas debêntures incentivadas, isentas de imposto de renda para o comprador – diferente das demais.

Outros 9,7% foram destinados a “investimento ou compra de participação societária”.

“Do ponto de vista macroeconômico isso não agrega nada, é só transferência (de recursos entre empresas)”, diz Rocca.

Dinheiro que vem da bolsa

A venda de ações, seja de companhias estreantes ou já listadas, totalizou R$ 78,3 bilhões de janeiro a novembro. Mas a quantia cai para R$ 26,4 bilhões nos últimos 12 meses encerrados em novembro quando consideradas apenas as empresas não financeiras e as emissões primárias, ou seja, de novas ações, que geram dinheiro que vai para o caixa das companhias (e não constituem apenas compra e venda entre acionistas), segundo levantamento do Cemec.

Dentro desse recorte, do que as empresas captaram na bolsa brasileira para se financiar no período, 37% foi usado para a compra de ativos ou atividades operacionais; 20,6% foi destinado a redução de passivo ou capital de giro; 24,5% a aquisição de participação acionária; e 2,9% em investimentos em TI e logística.

“Mas número de emissões de (novas) ações é muito pequeno e, dependendo da empresa que faz ou não faz (emissão), esses dados oscilam muito”, pondera Rocca.

Protagonismo do setor privado

A significativa redução da taxa básica de juros (a Selic, atualmente em 4,5%), e a mudança nas políticas do BNDES – o banco de fomento passou a adotar uma taxa menos subsidiada e mais próxima da praticada pelo mercado e também diminuiu a oferta de empréstimos – abriram espaço para o crédito privado no Brasil.

“Com o governo pagando 14,25% (patamar que a Selic alcançou a alguns anos), quem quisesse colocar papel privado no mercado teria que oferecer um prêmio acima disso, então o custo de captação ficava muito alto. Com o desabamento da taxa, o custo de captação das empresas caiu drasticamente”, diz Rocca, do Cemec.

Juros em queda — Foto: Arte/G1

Juros em queda — Foto: Arte/G1

O desafio agora é converter o dinheiro captado em investimentos para movimentar a economia. O setor privado é a grande aposta do governo para a aceleração da economia. Com a fragilidade das contas públicas e os bancos públicos emprestando cada vez menos, o governo espera que a iniciativa privada seja protagonista do crescimento.

“O BNDES tem tido um papel menos importante do que já teve no passado. Então, olhando par frente, o crescimento econômico vai vir pelo investimento privado”, diz Marcel Balassiano, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

Se não houver surpresas no mercado externo e se a agenda de reformas do governo continuar, a tendência é que os investimentos das empresas cresçam nos próximos meses, na avaliação de Rocca.

Estudo do Cemec apontou dois fatores preponderantes para a decisão dos empresários em investir: a relação entre retorno e custo para captar recursos e as perspectivas de crescimento médio para a economia nos próximos três anos. E um levantamento da própria entidade mostra que a a taxa de retorno do capital investido pelas empresas tem caído, ao mesmo tempo em que o custo médio ponderado do capital tem caído. Como resultado, dentre empresas acompanhadas pelo Cemec, a parcela daquelas que conseguem retorno acima do custo de capital subiu de 33% em 2016 para 51% neste ano. Em 2010, a fatia era de quase 60%.

Além disso, indicadores como o índice de confiança da indústria têm melhorado e o Banco Central elevou mais uma vez esta semana a perspectiva de crescimento do PIB para 2,28% em 2020, num sinal de otimismo quanto ao futuro da economia brasileira.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend