Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 24 de October de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Pandemia faz país perder 1,1 milhão de empregos formais em dois meses

Por ORM
Publicado em 28 de maio de 2020 às 12:15H

Compartilhe:

O Brasil fechou 1,1 milhão de vagas com carteira assinada em março e abril, segundo números do Cadastro Geral de Empregos e Desempregados (Caged) divulgados ontem pelo Ministério da Economia. Esse é o primeiro retrato oficial do impacto da pandemia do novo coronavírus no mercado de trabalho brasileiro e levou economistas a projetarem para este ano o fechamento de até 3,5 milhões de postos formais – mais do que o total perdido na crise de 2015 e 2016, quando o saldo líquido acumulado nos dois anos ficou negativo em cerca de 2,8 milhões de vagas.

Em março, quando os efeitos da crise começaram a ser sentidos, foram fechadas 240.702 vagas formais no País. O salto veio em abril, com a perda de 860.503 postos, o pior resultado para o mês desde o início da série histórica da Secretaria Especial de Trabalho e Previdência do Ministério da Economia – em 1992. Considerando os resultados de janeiro e fevereiro (que, ainda a salvo da crise, terminaram com a abertura vagas formais), o saldo desde o início do ano está negativo em 763,2 mil vagas.

“A perspectiva é de impacto que deve repetir a crise de 2015 e 2016 em um ano só. Mas as crises são diferentes. Em 2015 e 2016, a economia foi contaminada aos poucos, com efeito na receita das empresas e nas demissões de forma gradual. Agora, o impacto é concentrado e abrupto”, disse o economista Cosmo Donato, da LCA Consultores.

Ele acrescentou que o governo deveria agir para salvar as empresas, evitar falências, sob o risco de uma crise mais profunda este ano e ausência de recuperação em 2021. Na LCA, segundo Donato, as discussões são de que seriam necessárias linhas de crédito com juros subsidiados para as companhias.

O Brasil registrou a primeira morte pelo vírus no dia 17 de março. Para evitar a propagação rápida da doença e o colapso do sistema hospitalar, governos adotaram medidas de restrição e isolamento social, incluindo o fechamento de parte do comércio e de fábricas.

Mesmo em um cenário de queda do PIB de cerca de 5% este ano e de recuperação em torno de 3% em 2021, Donato acredita que a destruição líquida de vagas formais deve continuar até meados do ano que vem. Para o ano todo, a expectativa atual é de saldo positivo de apenas 100 milhões de postos.

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, disse que o “copo está meio cheio” e que empregos estão sendo preservados com medidas como suspensão de contratos e redução de jornada e salários, que já atingem mais de 8 milhões de brasileiros. “Desemprego não é algo para comemorar, a preservação de empregos sim. O copo está meio cheio, estamos preservando emprego e renda”, afirmou. “O Brasil está conseguindo preservar empregos, mas não manter nível de contratação.”

Bianco avaliou que o impacto do coronavírus foi, até momento, menor do que o visto em outros países, como os EUA. Lá, porém, o seguro-desemprego é o principal instrumento assistencial para quem fica sem trabalho. No Brasil, o governo criou o auxílio emergencial de R$ 600 para 56,6 milhões de desempregados, informais e autônomos.

Para Sílvio Paixão, da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi) da USP, as empresas já vinham com dificuldades antes da crise do coronavírus. “O Brasil vinha lutando para vencer os impactos da crise anterior. Quando estava começando a parar de escorregar, veio a pandemia.” 

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend