Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 14 de April de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Transporte hidroviário do Brasil utiliza apenas um terço da malha potencial, mostra estudo

Por G1
Publicado em 02 de outubro de 2019 às 14:19H

Compartilhe:

O transporte hidroviário do Brasil utiliza apenas um terço da malha potencial utilizável, releva um estudo da Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgado nesta quarta-feira (2). Atualmente, a malha do Brasil é de 63 mil quilômetros, mas apenas 19,5 mil quilômetros (ou 30,9% do total) são usados. 

Há uma série de fatores que explicam o baixo uso da malha hidroviária no país. Há entraves que envolvem questões de infraestrutura, operação, burocracia, além do baixo nível de investimento no modal.

O uso de hidrovias traz algumas vantagens quando comparado com outros modais, de acordo com a CNT. Ele costuma ser mais vantajoso financeiramente. O frete, por exemplo, é 60% menor do que o rodoviário e 30% mais em conta do que o ferroviário. Também é considerado menos poluente. 

A baixa utilização de hidrovias no Brasil fica evidente quando se compara com a realidade de outros países. Para cada mil quilômetros quadrados de área, o Brasil tem apenas 2,3 quilômetros de vias economicamente utilizáveis. Na China e nos Estados Unidos, essa relação é de 11,5 quilômetros e 4,2 quilômetros, respectivamente. 

“Se os 63 mil quilômetros potenciais fossem utilizados, tal densidade aumentaria para 7,4 quilômetros por mil quilômetros quadrados de área”, diz o estudo da CNT. 

A pesquisa também aponta que houve um crescimento de 34,8% no volume de cargas transportadas por hidrovias entre 2010 e 2018 no Brasil. No período, o volume cresceu de 75,3 milhões de toneladas para 101,5 milhões de toneladas. 

Investimentos

Nas últimas décadas, o valor máximo de investimento em transporte hidroviário foi registrado em 2009, quando foram investidos R$ 831,79 milhões. Em 2018, no entanto, esse valor caiu para R$ 173,70 milhões. 

“Os recursos não têm sido suficientes para garantir maior oferta de serviços e melhor qualidade das infraestruturas”, aponta o estudo da CNT. 

A entidade estima que o investimento mínimo deveria ser de R$ 166,4 bilhões. Atualmente, todos os planos do governo que contemplam o setor indicam um investimento de R$ 145,1 bilhões.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend