Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 18 de January de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Endividamento das famílias paraenses cresce em janeiro

Por Dol
Publicado em 01 de fevereiro de 2019 às 11:29H

Compartilhe:

A mais recente Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) da Fecomércio PA/CNC, identificou o crescimento da taxa média de famílias endividadas no Pará. Em janeiro de 2018 a taxa de famílias endividadas era de 40,1%, alcançando 52,6% em janeiro em 2019. O aumento no endividamento das famílias paraenses é decorrente da expansão nas compras ao longo do ano passado efetuadas na modalidade a prazo.

Na análise por faixa de renda, a pesquisa observou que os consumidores mais endividados são os situados na faixa de renda superior a dez salários mínimos (62,5%). Considerando que a taxa de endividamento representa as compras realizadas por parcelamento ou financiamento, compreende-se que as famílias com rendas mais elevada possuem diversas formas de obter mais crédito, tipos diversificados de bandeiras de cartões de crédito e outras disponibilidades de financiamento.

A pesquisa destaca que o mais aconselhável é mensurar a capacidade de endividamento para não comprometer mais de 30% da renda mensal com dívidas parceladas, podendo limitar novas compras e o risco de entrar na faixa de inadimplência. Também foi observado que as famílias com renda de até dez salários mínimos terão de destinar 28,9% da renda até o mês de maio para o pagamento de suas dívidas. Já as famílias com rendimentos superiores a dez salários mínimos terão de subtrair 21,3% da renda para arcar com os parcelamentos mensais. Embora ambas as classes de renda se encontrem dentro do considerado prudencial, é importante contabilizar o impacto das parcelas sobre a renda mensal.

INADIMPLÊNCIA

A maior frequência de inadimplentes foi constatada na estratificação dos consumidores com renda de até dez salários mínimos (28,4%). Para a faixa de renda superior a dez salários mínimos, a inadimplência em janeiro de 2019 alcançou 15,9%. Em grande parte, isso se deve porque são menores as alternativas dos consumidores que detém faixa salarial inferior a dez salários mínimos para
quitarem suas dívidas.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend