Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 17 de October de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Inep estuda terceirizar banco de questões usado no Enem

Por Notícias ao Minuto
Publicado em 26 de agosto de 2021 às 15:06H

Compartilhe:

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) determinou que seja feito estudo sobre a possibilidade de terceirizar a elaboração e revisão das questões do BNI (Banco Nacional de Itens), de onde saem as perguntas para provas nacionais, como a do Enem.

O pedido foi feito por Anderson Soares Oliveira, chefe da Daeb (Diretoria de Avaliações da Educação Básica). O documento diz que a elaboração do estudo foi solicitada pelo próprio presidente do instituto, Danilo Dupas.

Os servidores ficaram apreensivos com o pedido. Com a terceirização, avaliam que a prova estaria mais suscetível a interferências. Desde o início do governo Jair Bolsonaro (sem partido), os presidentes que passaram pelo Inep em diversos momentos tentaram implementar medidas para retirar questões que consideram ideológicas.

O documento pede aos servidores que apresentem estudo para avaliar as vantagens e desvantagens de manter o modelo atual de elaboração do BNI em comparação com a terceirização do processo.

“Solicitamos que sejam apresentados a este gabinete até o dia 30/08/2021, a fim de subsidiar demanda da presidência”, diz o ofício.

Além do risco de interferência, os servidores também apontam que a terceirização prejudica a segurança das avaliações. Há anos, as questões do BNI são feitas por especialistas (professores e pesquisadores com formação específica em cada área do conhecimento), selecionados a partir de chamadas públicas.

Todo o processo de elaboração é sigiloso para evitar vazamento das questões.

Do BNI, saem também as questões que compõem a Prova Brasil, usada para calcular o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), do Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes) e do Revalida, entre outros.

Há anos, técnicos e especialistas alertam para a necessidade de maior investimento para aumentar o BNI. O número de questões guardadas no banco é sigiloso. No entanto, diretores e presidentes do Inep já reconheciam a escassez de itens.

A situação foi agravada quando, em 2019, o então presidente do Inep, Marcus Vinicius Rodrigues, criou uma comissão que fez uma varredura no banco. Na época, o jornal O Globo mostrou que 66 questões foram censuradas e retiradas do BNI.

Elogiada pelo presidente Jair Bolsonaro, a ditadura militar (1964-1985), por exemplo, não foi mais abordada no exame.

O embate ideológico é a principal marca da gestão Bolsonaro na área da educação. Entre outros pontos, o governo tem aversão a questões que abordem qualquer discussão de gênero.

Em junho, o Ministério da Educação tentou mais uma vez recriar a comissão. A Folha revelou que o Inep já tinha pronta uma portaria para estabelecer uma instância permanente de análise ideológica dos itens. O documento previa veto a “questões subjetivas” e atenção a “valores morais”.

Apesar da documentação, o ministro Milton Ribeiro negou a criação da instância em uma Comissão de Educação da Câmara.
Questionados pela Folha sobre o estudo para terceirizar o BNI, Inep e Mec não responderam.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend