Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 25 de October de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

MEC deve recuar sobre retorno de aulas presenciais em universidades

Por Dol
Publicado em 03 de dezembro de 2020 às 06:09H

Compartilhe:
Governo do DF suspende aulas para evitar ampliação de casos do novo corona vírus.

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, deve recuar e revogar a portaria que determinava o retorno das aulas presenciais em universidades federais e particulares a partir de 4 de janeiro.

O recuo, ainda não oficial, veio depois de dirigentes das universidades dizerem que a medida é inconstitucional e que não há tempo hábil ou recurso para o retorno presencial na data estabelecida.

A reportagem confirmou com fontes do ministério o recuo e ainda que Ribeiro deve, após ter resistido homologar a resolução do CNE (Conselho Nacional de Educação) que estende a autorização das aulas remotas até o fim de 2021.

À CNN o ministro disse que não esperava tanta resistência e que “só vai liberar o retorno das aulas presenciais quando as instituições também estiverem confiantes de que podem ocorrer.” Ele afirmou ainda que vai abrir uma consulta pública para discutir a volta.

A publicação da portaria surpreendeu dirigentes das instituições de ensino e até membros do alto escalão do Ministério da Educação (MEC). A decisão não foi discutida nem mesmo com a Sesu (Secretaria de Educação Superior), que tem a atribuição de articular e coordenar as ações com as universidades.

A avaliação é de que, isolado e com pouco apoio político, Ribeiro procura ações para se aproximar do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e agradá-lo. A abertura das universidades, para minimizar a gravidade da pandemia, é defendida pelo presidente. A polêmica em torno da portaria e o recuo enfraquecem o ministro, que tem sido alvo de críticas de integrantes do próprio governo pela inação nos rumos da política educacional.

A situação é comparada a quando o ex-ministro Ricardo Vélez Rodríguez enviou uma carta às escolas para que filmassem as crianças cantando o hino nacional e entoassem o slogan do presidente (“Brasil acima de tudo. Deus acima de todos”). O recuo, após a repercussão negativa, enfraqueceu o primeiro ministro de Bolsonaro a ocupar a pasta.

A portaria, publicada no Diário Oficial da União desta quarta (2), determinava o retorno das aulas presenciais para todo o sistema federal de ensino superior do país a partir do dia 4 de janeiro. A medida incluía universidades e institutos federais e instituições de ensino da rede privada.

Universidades federais comunicaram ainda na manhã desta quarta que a medida era inconstitucional, já que possuem autonomia administrativa e acadêmica, o que lhes confere o poder de decidir sobre o retorno das aulas presenciais. Elas também disseram que não haveria tempo hábil e recurso para fazer as adequações necessárias para receber todos os alunos no próximo mês.

Instituições como Unifesp, UnB, UFABC e Ufba comunicaram suas comunidades estudantis que manteriam o planejamento com as aulas remotas.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend