Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 02 de March de 2024
Sistema Floresta

A polêmica no Egito por série que retrata Cleópatra negra

Por Correio de Carajás
Publicado em 25 de abril de 2023 às 10:59H

Compartilhe:

Uma série de drama documental da Netflix que retrata a rainha Cleópatra 7ª como uma negra africana gerou polêmica no Egito.

Um advogado entrou com um processo acusando Rainha Cleópatra de violar as leis de mídia e tentar “apagar a identidade egípcia”.

Um renomado arqueólogo insistiu que Cleópatra tinha “pele clara, não negra”.

Mas o produtor da série afirmou que “sua ascendência é altamente debatida”, e a atriz que a interpreta mandou um recado aos críticos: “Se você não gosta do elenco, não assista à série”.

Adele James disse isso em um post no Twitter que reproduzia imagens de capturas de tela de comentários abusivos que incluíam insultos racistas.

Cleópatra nasceu na cidade egípcia de Alexandria em 69 a.C. e se tornou a última rainha de uma dinastia de língua grega fundada por Ptolomeu, general macedônio de Alexandre, o Grande.

Ela sucedeu seu pai Ptolomeu 12 em 51 a.C. e governou até sua morte em 30 a.C. Depois disso, o Egito caiu sob domínio romano.

A identidade da mãe de Cleópatra é desconhecida, e os historiadores dizem que é possível que ela, ou qualquer outra ancestral feminina, fosse uma indígena egípcia ou de outra parte da África.

O site parceiro da Netflix, Tudum, afirmou em fevereiro que a decisão de escalar a atriz britânica Adele James como Cleópatra para sua nova série documental era”uma referência ao debate de séculos sobre a raça da governante”.

Jada Pinkett Smith, a atriz americana que foi produtora executiva e narradora da série, foi citada dizendo: “Não costumamos ver ou ouvir histórias sobre rainhas negras, e isso foi muito importante para mim, assim como para minha filha, e para minha comunidade poder conhecer essas histórias porque há um monte delas!”

Mas quando o trailer da série foi lançado na semana passada, muitos egípcios condenaram a representação de Cleópatra.

Zahi Hawass, um proeminente egiptólogo e ex-ministro das Antiguidades, disse ao jornal al-Masry al-Youm: “Isso é completamente falso. Cleópatra era grega, o que significa que ela tinha pele clara, não negra.”

Hawass afirmou que os únicos governantes do Egito conhecidos como negros foram os reis kushitas da 25ª Dinastia (747-656 a.C.).

“A Netflix está tentando provocar confusão, espalhando fatos falsos e enganosos de que a origem da civilização egípcia é negra”, ele acrescentou, pedindo aos egípcios que se posicionem contra a empresa de streaming.

No domingo, o advogado Mahmoud al-Semary entrou com um processo no Ministério Público exigindo que sejam tomadas “as medidas legais necessárias” e que seja bloqueado o acesso aos serviços da Netflix no Egito.

Ele alegou que a série incluía material e conteúdo visual que violavam as leis de mídia do Egito e acusou a Netflix de tentar “promover o pensamento afrocêntrico … que inclui slogans e textos destinados a distorcer e apagar a identidade egípcia”.

Três anos atrás, os planos para um filme sobre Cleópatra estrelado pela atriz israelense Gal Gadot desencadearam um acalorado debate nas redes sociais, com algumas pessoas insistindo que o papel deveria ir para uma atriz árabe ou africana.

Gadot defendeu depois a escolha do elenco, dizendo: “Estávamos procurando uma atriz macedônia que pudesse ser Cleópatra. Não encontramos, e eu era muito apaixonada por Cleópatra.”

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend