Uma operação policial deflagrada pelas Polícias Civil e Militar, na tarde desta quarta-feira (05), em Tucuruí, sudeste paraense, resultou em troca de tiros entre os policiais e um homem envolvido no assalto praticado no Aeroporto do município, no último dia 3, ao avião que fazia o transporte de valores que seriam destinados ao Banco do Brasil da cidade. Durante o confronto, o acusado foi alvejado a tiros e morreu. Ele foi identificado como o maranhense Adriano da Silva Brandão, conhecido pelos apelidos de “Adriano Pânico” ou “General”, considerado um dos maiores assaltantes de banco e de carros-fortes do Brasil. Ele estava foragido da Justiça do Pará. Com Adriano, os policiais civis e militares apreenderam uma arma de fogo tipo Fuzil calibre AK 47, de alto poder de fogo, armamento de uso permitido por lei apenas às Forças Armadas.

A operação foi realizada, por volta de 17 horas, por policiais civis da DRCO (Divisão de Repressão ao Crime Organizado); da COE (Companhia de Operações Especiais), do GTO (Grupamento Tático Operacional da PM), do GRAESP (Grupamento Aéreo de Segurança), e das Polícias Civil e Militar de Tucuruí. Durante as diligências, em busca dos assaltantes, os policiais civis e militares localizaram em uma área de mata, um dos envolvidos no assalto escondido na região. Ao ser abordado, Adriano da Silva Brandão reagiu e atirou em direção aos policiais com o fuzil AK 47. Na troca de tiros, ele foi baleado e morreu no local.

Conforme os policiais, Adriano fez parte do grupo que, no último dia 3, invadiu o Aeroporto de Tucuruí para atacar os vigilantes da empresa Prosegur que estavam em dois carros-fortes que seriam usados para receber malotes transportados na aeronave que havia acabado de pousar no local. Segundo o delegado Evandro Araujo, diretor da DRCO, as buscas na área continuam para tentar capturar os outros integrantes da associação criminosa que permanecem na mata.

Em abril deste ano, Adriano Brandão foi preso quando se deslocava em um carro, na rodovia BR-222, entre Rondon do Pará e Dom Eliseu, sudeste do Pará. Na ocasião, os policiais apreenderam com o criminoso um fuzil AK 47; dezenas de munições; dois coletes à prova de balas; quatro capuzes tipo “balaclava”; luvas; cordel detonador de explosivos; carregadores de armas e roupas camufladas. Na época, Adriano Brandão estava como fugitivo do presídio de Pedrinhas, no Maranhão, e tinha três ordens judiciais de prisão por assaltos a carros-fortes em Marabá no Pará; no Maranhão e no Tocantins.

Na época, o grupo de assaltantes do qual Adriano Brandão fazia parte havia assaltado carros-fortes, em março, na cidade de Alto Alegre, no Maranhão, e, em fevereiro deste no, no interior do Estado do Piauí. Ele também chegou a passar dois anos no sistema prisional de Catanduvas, no Paraná, presídio federal de segurança máxima, por ser considerado altamente perigoso. Adriano chegou a passar dez anos preso no Pará, por envolvimento em outro roubo a banco na modalidade conhecida como “vapor” ou “novo cangaço”, ocorrido em Tucuruí. Ele foi colocado em liberdade e passou a atuar em roubos a carros-fortes. Após ser preso em abril, Adriano foi recolhido no presídio do CRPP2 (Centro de Recuperação Penitenciário do Pará 2) em Santa Izabel do Pará, de onde foi resgatado em 28 de setembro deste ano. Desde então, ele estava na condição de foragido.

INVESTIGAÇÃO A equipe da DRCO da Polícia Civil vai continuar na região de Tucurui na investigação sobre a ação do grupo criminoso que tomou de assalto equipes de vigilantes da empresa Prosegur, no Aeroporto de Tucuruí. Por volta de 09:25 da manhã, o avião da empresa TWO, que presta serviço para a empresa de segurança privada, pousou no Aeroporto procedente de Belém. No momento em que seria feita a entrega dos malotes aos vigilantes da empresa que estavam em dois carros-fortes, seis homens armados apareceram no local. Quatro bandidos saíram do dentro do prédio do Aeroporto e outros dois saíram das matas situadas às margens da pista de pouso. Todos portavam armas de fogo de grosso calibre que foram usadas para efetuar disparos em direção aos carros-fortes fazendo os vigilantes recuarem no momento da ação criminosa.

Após pegar os malotes, os assaltantes saíram em fuga usando uma caminhonete de cor preta, na qual tomaram rumo em direção à estrada vicinal Trans Bom Jesus, que dá acesso à região do Lago da Hidrelétrica e que sai também em outras estradas vicinais, como Vicinal Trans Ladário e Vicinal PA Cururuí. Equipes da Polícia Civil e PM de Tucuruí saíram de imediato em diligência em busca aos assaltantes. No momento da ação criminosa, o piloto do avião se desequilibrou e caiu na escada de descida do avião, deslocando o ombro. Ele foi socorrido no local por paramédicos do SAMU que o conduziram até o hospital do município, para avaliação médica. Durante o cerco policial, ainda no dia 3, uma viatura da PM foi atingida por vários disparos, após troca de tiros com suspeitos nas matas de uma estrada vicinal da região. Ninguém ficou feridos e os suspeitos não foram localizados na ocasião.