Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 24 de October de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Massacre de Eldorado dos Carajás completa 22 anos

Por Dol
Publicado em 17 de abril de 2018 às 10:26H

Compartilhe:

Momento do sepultamento das 19 vítimas do massacre no cemitério de Curionópolis. Foto: João Roberto Ripper

Trabalhadores Rurais Sem Terra fazem na manhã desta terça-feira (17) um ato político para lembrar os 22 anos do massacre de Eldorados dos Carajás. O confronto ocorrido na “Curva do S”, no sudeste paraense, deixou 19 pessoas mortas em 1996.

Para o ato de hoje, que ocorre na praça do Mercado de São Brás, 19 cruzes foram enterradas com propósito de chamar a atenção da sociedade.

No ato político de hoje, integrantes do MST vão protestar pedindo a liberação do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, preso no último dia 7.

A tarde, às 17h, acontece de fato o ato ecumênico em lembrança do massacre considerado o mais violento da história do Pará.

RELEMBRE O MASSACRE DE ELDORADO DOS CARAJÁS

Foi na manhã do dia 17 de abril de 1996 que o sangue de 19 trabalhadores rurais manchou as terras do trecho conhecido como “curva do S”, da atual BR-155, no município de Eldorado do Carajás, sudeste paraense. Acampados no local há dias, lavradores exigiam a desapropriação da Fazenda Macaxeira, quando decidiram marchar pela rodovia em direção à capital paraense.

De um lado, 1.500 manifestantes munidos com palavras de ordem e suas características ferramentas de trabalho (foices e facões). Do outro, 150 policiais militares, sem identificação em seus uniformes, fortemente armados e decididos a não deixar ninguém passar.

Do gabinete do ex-governador, Almir Gabriel (PSDB), partia a ordem para a desobstrução da rodovia. O cerco policial foi iniciado com os policiais comandados pelo Coronel Pantoja, de Marabá, e por uma tropa comandada pelo Major Oliveira, de Parauapebas.

Não demorou muito até o manifesto ser palco de um verdadeiro massacre com os disparos das bombas de gás lacrimogêneo e as munições de revólveres e metralhadoras totalmente descarregadas. Sem a menor chance de defesa, 19 trabalhadores morreram e 70 ficaram feridos; nenhum dos 150 policiais envolvidos teve sequer um arranhão.

IMPUNIDADE

Vinte e dois anos depois, o sentimento de impunidade prevalece. Em entrevista ao DIÁRIO, o advogado José Batista Afonso, coordenador da Comissão Pastoral da Terra (CPT), esclareceu a atual situação jurídica do caso. Todos os policiais que participaram da operação, que resultou no massacre, foram absolvidos pelo Tribunal do Júri, que ocorreu em Belém.

Apenas o Coronel Pantoja (258 anos) e o Major Oliveira (158 anos) foram condenados, não havendo mais recursos para livrá-los das penas decretadas. Foi determinada ainda a prisão preventiva para que ambos cumprissem a pena estipulada.

Um levantamento feito pela CPT destaca que foram mais de 800 assassinatos no campo no estado do Pará e, em contrapartida, foram pouquíssimos os casos que tiveram punição; em sua maioria, aqueles que tiveram muito destaque na mídia.

“A impunidade é uma espécie de incentivo a continuidade dos crimes porque quem vive dessa prática criminosa e não é punido não vai pensar duas vezes em continuar praticando outros crimes. Então, infelizmente, em relação a situação do campo no Pará, prevalece esse sentimento de que aqueles que comandam os crimes dificilmente são atingidos pelo braço da justiça”, declara o advogado José Batista.

 

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend