Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 11 de April de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Nove anos após Lei de Resíduos Sólidos, coleta de lixo não melhora no Brasil

Por G1
Publicado em 06 de agosto de 2019 às 10:41H

Compartilhe:

A Política Nacional de Resíduos Sólidos acabou de completar mais um aniversário. Agora são nove anos integrando aquela lista longa e triste de leis que não são cumpridas no Brasil – para prejuízo do meio ambiente e da saúde dos cidadãos. 

Toda segunda-feira os restos de frutas, legumes e verduras separados pelo engenheiro ambiental Pedro Henrique Beviláqua são recolhidos por uma empresa: “Alimentos crus a gente joga, todos eles, no baldinho da compostagem”. 

O lixo orgânico de 1.300 clientes é levado por ciclistas até o caminhão, que segue para Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Lá, o material é misturado a serragem e revirado uma vez por semana por um trator. Leva-se quatro meses até que a compostagem chegue ao fim. 

A produção é de 40 toneladas por mês. O resultado da compostagem é um adubo orgânico de excelente qualidade, que é peneirado e ensacado. Parte é devolvida aos clientes, parceiros do projeto. A outra parte é vendida no mercado. 

A destinação inteligente de resíduos orgânicos para, por exemplo, produzir adubo, deveria ser regra no Brasil há pelo menos nove anos, desde que a Política Nacional de Resíduos Sólidos entrou em vigor. 

Pela lei, só deveriam seguir para aterros sanitários os rejeitos materiais que não podem ser reaproveitados como, por exemplo, embalagem de alumínio e fralda descartável. 

A empresa do engenheiro ambiental Lucas Chiabi cresce 4% ao mês: “No Brasil, 51% do que a gente joga fora é orgânico. A gente está, literalmente, desperdiçando uma oportunidade de estar produzindo adubo e insumo agrícola numa escala monumental”. 

Outra exigência da lei que nunca foi cumprida é a erradicação dos lixões. São, ao todo, três mil em todo o país, contaminando o solo e as águas. 

Para piorar a situação, de 2009 para cá, a quantidade de lixo gerada no Brasil aumentou 26%. Esse volume a mais equivale a dez estádios do Maracanã cobertos de lixo por ano. O estímulo à reciclagem também ficou no papel. Hoje, apenas 3% de todos os resíduos são reciclados. 

Mas certos setores da economia, como o de pneus e embalagens de agrotóxicos, conseguiram bons resultados na destinação destes materiais. 

Para a Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública, o cidadão precisa pressionar o poder público, principalmente os prefeitos. “O cidadão precisa impulsionar, cutucar o poder público para dizer: ‘Eu quero que essa lei seja cumprida, eu quero que os lixões sejam fechados, eu quero fazer justamente uma coleta seletiva, que ela aconteça’. Agora, se o cidadão não se empodera dessa lei, se as indústrias também não trouxerem para si e implementarem, essa lei não vai acontecer”, afirma Carlos Silva Filho, presidente da Abrelpe. 

Se para cumprir a lei ainda há muito a ser feito, para pessoas como Pedro o primeiro passo já foi dado: “Você entrega as frutas e eles devolvem o composto, então você vê ali o resultado da sua reciclagem. Eu me sinto mais leve, sabendo que eu estou ajudando o planeta também”.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend