Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 05 de July de 2020
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Operação Amazônia Viva apresenta balanço após 20 dias de ações

Por Agência Pará
Publicado em 29 de junho de 2020 às 12:55H

Compartilhe:
Acampamentos e garimpos ilegais foram fiscalizados pelos agentes

A operação “Amazônia Viva”, realizada pela Força Estadual de Combate ao Desmatamento e Queimadas finalizou neste final de semana e teve como balanço a apreensão de 17 motosserras, 09 veículos entre escavadeiras e caminhões, 11 armas de  fogo, destruição de três acampamentos improvisados e a interdição de três garimpos clandestinos para extração de ouro. Também foram realizados 14 flagrantes de crimes ambientais.

A soma das áreas desmatadas irregularmente que foram embargadas durante a operação chegou a 316km². A área é superior a da cidade de Recife, capital pernambucana que de acordo com o IBGE tem 217km². Somente na Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu (APA TX), localizada entre os municípios de Altamira e São Félix do Xingu, foram embargados 77 km². Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (29), pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas).

“Embargar é uma medida administrativa importante. A terra não poderá ser utilizada para produção agropecuária até ser regularizada junto aos órgãos competentes. O que possibilita a regeneração do meio ambiente na área degradada. O embargo não impede apenas que a área seja usada, também é uma forma de impedir atividades danosas. Se descumprido, pode resultar na suspensão da atividade que originou a infração e no cancelamento de registros e licenças. Multas também podem ser aplicadas em caso de não cumprimento do embargo”, explicou o titular da Semas, Mauro O’de Almeida.

A operação de combate a crimes ambientais foi deflagrada neste mês, simultaneamente, em quatro pontos do estado. O objetivo foi coibir a retirada ilegal de árvores em 10 municípios com taxas elevadas de desmatamento. São eles: Uruará, Medicilândia, Brasil Novo, Placas, Itaituba, Trairão, Novo Progresso, Castelo dos Sonhos, São Félix do Xingu e Altamira.

“A Polícia Civil pode instaurar procedimentos policiais, Termos Circunstanciados de Ocorrência e inquéritos para apurar e intensificar o combate aos crimes ambientais. O governo do Estado conseguiu dar amplitude ao trabalho de segurança ambiental. As instituições que têm o mesmo foco conseguem dar celeridade a execução dos nossos serviços. Nós observamos que os municípios com maiores focos acabam tendo uma logística mais complexa para as ações, mas dessa forma, todos conseguimos nos fazer presentes”, comenta o diretor da Divisão de Meio Ambiente e Proteção Animal da Polícia Civil, Waldir Freire. 


Armas e equipamentos foram apreendidos durante a Operação Amazônia Viva

Para o diretor de Fiscalização da Semas, Rayrton Carneiro, as apreensões foram importantes por desarticularem a realização de queimadas nas áreas desmatadas. “A vegetação derrubada e os equipamentos apreendidos indicam que o material poderia ser usado para queimar o campo durante o período de menor chuva. Por isso, agir agora foi tão importante. Dessa forma, estamos combatendo diretamente o desmatamento e evitando que o fogo seja utilizado, o que traria mais danos ambientais”, destaca.

Ciclos virtuosos para além da repressão

O governo do Estado combate o desmatamento ilegal e as queimadas com ações que vão além da repressão aos crimes ambientais. Apesar das ações de comando e controle serem um dos pilares de sustentação da macroestratégia ‘Amazônia Agora’, a iniciativa foi constituída para viabilizar a regularidade ambiental nas propriedades, através da validação do Cadastro Ambiental Rural, garantir os títulos fundiários para os ocupantes que preencham os requisitos, incentivar a produção e consumo sustentável, a recuperação de áreas degradadas através de Sistemas Agroflorestais e ampliação do acesso ao crédito para o desenvolvimento de uma economia mais produtiva, eficiente e de baixo carbono.

Atualmente, a Semas finaliza o edital de seleção para as primeiras 600 propriedades, que passarão por processo de regularização ambiental, fundiária, outorgas para irrigação, e concessão de Selos de Inspeção. Também receberão ações de assistência técnica e fomento para aumento na produtividade, por meio do programa estadual Territórios Sustentáveis. “É uma mudança no modelo de produção onde teremos mais produtividade e renda, sem necessidade de ampliação das áreas”, afirma Raul Protázio, secretário adjunto de Recursos Hídricos e Clima.

A Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu foi criada pelo Decreto Estadual n°. 2.612 de 04 de dezembro de 2006 e integra o Mosaico de Áreas Protegidas da Terra do Meio formado por Unidades de Conservação de responsabilidade Federais e Estaduais, além de Terras Indígenas na região do Xingu. A APA TX tem área total de 1.679.280,52 ha, na qual 1.102.779,30 ha (66%) situam-se no município de São Félix do Xingu e 576.501,22 ha (34%) no município de Altamira. 

Força Estadual – Instituída pelo Governo do Pará por meio do decreto publicado no dia 18 de fevereiro de 2020, a instituição é coordenada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, com a participação da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar, Defesa Civil, Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves” e Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio).

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend