Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 30 de September de 2020
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Pará lidera pior índice de desmatamento na Amazônia em agosto

Por ORM
Publicado em 16 de setembro de 2020 às 07:12H

Compartilhe:

A partir do seu Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) divulgou, nesta terça-feira (15), que somente em agosto deste ano, em plena pandemia da covid-19, a Amazônia perdeu 1.499 km² de área de floresta. “O número é o mais alto dos últimos dez anos. Em comparação com o mês de agosto do ano passado, os satélites registraram um aumento de 68% na devastação. Ao todo, nos primeiros oito meses de 2020, foram desmatados 5.190 km² de mata nativa na Amazônia, 23% a mais do que no mesmo período do ano passado”, indica o Instituto, repassando que o Estado do Pará responde por 37% desse total desmatado na região.

De acordo com o Imazon, “o Pará lidera, pela 5ª vez consecutiva, o ranking dos estados responsáveis pela maior parte da destruição na floresta. O total desmatado no mês de agosto em território paraense corresponde a 37% do que foi derrubado em toda a região. Amazonas ficou responsável por 19% da área desmatada, seguido por Acre, Rondônia, Mato Grosso, Maranhão e Roraima”.

A capital de Rondônia, Porto Velho, encabeçou a lista dos municípios que mais registraram desmatamento. Somente no último mês, foram destruídos 85 km² de floresta. Lábrea, no Amazonas, e Altamira, no Pará, também ocupam as primeiras colocações do ranking com 72 km² e 61 km², respectivamente.
 O SAD indica que em agosto de 2019 o desmatamento somou 893 Km². O desmatamento detectado em agosto de 2020 ocorreu no Pará (37%), Amazonas (19%), Acre (18%), Rondônia (14%), Mato Grosso (9%) Maranhão (2%) e Roraima (1%). “As florestas degradadas na Amazônia Legal somaram 659 km² em agosto de 2020, o que representa uma redução de 29% em relação a agosto de 2019, quando a degradação detectada foi de 922 quilômetros quadrados.

Em agosto de 2020 a degradação foi detectada no Mato Grosso (47%), Pará (46%), Roraima (3%), Amazonas (2%) e Rondônia (2%). Em agosto de 2020, a maioria (55%) do desmatamento ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante do desmatamento foi registrado em Assentamentos (24%), Unidades de Conservação (16%) e Terras Indígenas (5%)”.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend