Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 21 de April de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

​Sem isolamento,​ ​projeção é de 623 mil casos no Pará em 30 dias, diz projeto do PCT Guamá

Por ORM
Publicado em 15 de junho de 2020 às 22:41H

Compartilhe:

Em todos os 26 estados brasileiros, além do Distrito Federal, o relaxamento absoluto das medidas de isolamento social pode ser extremamente prejudicial aos números que se têm hoje da doença. É o que projetam instituições do Pará e da Bahia, que uniram esforços para disponibilizar a GeoCovid-19, uma nova plataforma que compila dados confirmados e estima números totais de casos e óbitos relacionados à covid-19 – doença ocasionada pelo novo coronavírus.

A plataforma online, lançada há cerca de dois meses, também permite projeções do uso hospitalar, considerando o universo de testados, bem como a evolução dos casos no tempo, segundo as características populacionais de cada estado e de municípios, e também as condições epidemiológicas da propagação da covid-19.

A plataforma faz ainda projeções em dois cenários diferentes. Um deles é com a manutenção do isolamento social por volta de 50%. Outro é com abandono do isolamento social e voltando à vida “normal”.

Números traduzem impactos de medidas


Ao analisar as projeções para o Pará, segundo Cesar Diniz, sócio-fundador da Solved – Soluções em Geoinformação, uma das startup no Estado envolvida na parceria, as projeções da plataforma deixam clara a diferença na dispersão da covid-19, diante de cenários com e sem as restrições de mobilidade humana.

“Quando comparados os cenários ‘com supressão de fluxo’ e ‘sem supressão de fluxo’ (com e sem isolamento social), os números de infectados é duas vezes maior para o cenário em que se abandona por completo as medidas de isolamento”, destaca Diniz.

Ainda para o Pará, a plataforma GeoCovid-19, projeta para os próximos 30 dias, se abandonado por completo o isolamento no Estado, um total acumulado de 623 mil casos confirmados. Já para o cenário em que se mantém percentual de isolamento social, próximo de 50%, o número de casos acumulados para os próximos 30 dias seria de 321 mil casos – 51% menor que o anterior.

Diniz, que é oceanógrafo e especialista em dados espaciais, frisa que é importante ressaltar a diferença entre os números da Plataforma GeoCovid-19 e os valores apresentados pelas Secretarias de Saúde.

“Os números da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa), por exemplo, dizem respeito aos resultados obtidos de maneira direta, através de testes. Sendo, portanto, um cenário de evidente subnotificação, já que se testa apenas uma pequena fração da população”.

Ele enfatiza ainda que o Pará, considerados o número total de testes disponíveis, tem uma taxa de 19 mil indivíduos testados a cada milhão de habitantes, “um número similar ao encontrado no Irã, e por volta de cinco vezes menor que os números de testes/milhão reportados por EUA, Espanha, Reino Unido, Rússia e Itália”, compara.


Dados oficiais e variáveis populacionais e epidemiológicas apontam cenários (Fábio Costa)

Falta de transparência de dados incentiva projeto


A falta de transparência dos dados oficiais no Brasil, por meio do Ministério da Saúde, serviu como incentivo maior ao projeto. “Dar transparência aos dados da saúde quando o próprio governo se recusa a fazer isso torna o que já fazemos muito mais relevante. O desafio fez nossa responsabilidade aumentar, porque passamos a ser uma fonte de monitoramento de casos bastante importante no país, já que as fontes oficiais caminham no sentido contrário”, critica.

Além de fornecer dados de saúde transparente, a expectativa é que o trabalho ajude na tomada de decisões dos gestores. “Mas mais que isso é mostrar em absoluto a necessidade de ter uma plataforma de acompanhamento de doenças em geral, como dengue, zika, chikungunya e outras, desde que existissem os dados de saúde pública. Isso ajuda no avanço do monitoramento de qualquer doença e para a compreensão regional disso”, afirma Diniz.

A plataforma surgiu a partir da junção de duas outras plataformas, que atuavam de forma isolada – uma sobre os casos do Pará e outra na Bahia. “Fizemos unir os esforços para a Plataforma Nacional Portal Geo Covid, que é uma união de esforços da nossa startup no Pará, a startup GeoDatin e MapBiomas e muitas outras universidades e instituições públicas do Pará e da Bahia”.

Os dados são extraídos do projeto Brasil.IO, que já vinha acompanhando os números junto as Secretarias de Saúde de todos os estados brasileiros. Os dados das Secretaria de Saúde do Brasil são atualizados em momentos distintos. Assim, na plataforma, os dados do dia atual se referem sempre aos números do dia anterior. ​​​​

PCT Guamá sedia projeto


A Solved Soluções em Geoinformação, empresa residente no Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, em Belém, integra a iniciativa em rede interinstitucional que reúne organizações acadêmicas (UEFS, UFBA, UESC, UNEB, IFBA e UFG); empresas emergentes de base tecnológica (Geodatin e Solved); e o MapBiomas, organização do terceiro setor.

O Parque é resultante da parceria entre o governo do Pará e as Universidades Federal do Pará (UFPA) e Federal Rural da Amazônia (Ufra), o PCT Guamá foi o primeiro parque tecnológico a entrar em operação na Amazônia. 

O objetivo é estimular a pesquisa aplicada, o empreendedorismo inovador, a prestação de serviços e a transferência de tecnologia para o desenvolvimento de produtos e serviços de maior valor agregado e fortemente competitivos.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend