Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 16 de January de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Fundação Palmares quer que linhão passe em comunidades quilombolas do Pará

Por ORM
Publicado em 08 de junho de 2020 às 15:16H

Compartilhe:
Linhão de transmissão que poderá ligar Pará e Amazonas é questionado por comunidades e MPF (Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

A Fundação Cultural Palmares deu parecer favorável à passagem de uma linha de transmissão por quatro comunidades quilombolas no Pará, mas sem consultar as populações que moram nesses territórios. Reportagem da TV Globo informou que a Usina Hidrelétrica de Tucuruí fornece energia para o Pará, Maranhão e Tocantins. E o projeto de uma linha de transmissão quer levar energia de Tucuruí para o estado do Amazonas. É o linhão Oriximiná-Parintins.

A consulta aos quilombolas deve ser feita pela Fundação Cultural Palmares, que deu parecer favorável às obras sem ouvir os moradores das quatro comunidades. A fundação informou, ainda, que não poderia fazer as consultas públicas por causa das regras de isolamento social impostas pela pandemia. Mas, segundo o Ministério Público Federal, o parecer é inconstitucional por não ouvir os quilombolas.

E, em nota divulgada nesta segunda-feira (8), o Partido Verde protestou contra essa decisão. “O Partido Verde do Pará, Amazonas, Rondônia, Roraima, Acre e Mato Grosso protesta, veementemente, contra a decisão da Fundação Palmares, que, se  aproveitando da crise da covid-19, passou uma ‘boiada’, ao dispensar a consulta  prévia, livre e informada, nos termos da Convenção 169 da OIT, de todas as  comunidades afetadas pelo empreendimento referente à Linha de Transmissão (LT)  230 kV Oriximiná – Juruti – Parintins e Subestações (SEs) Associadas, em especial as  comunidades quilombolas Arapucu, Muratubinha, Mondongo e Igarapé Açu dos  Lopes, bem como às comunidades ribeirinhas Santíssima Trindade, Livramento, São  Lázaro, Santa Cruz e Muratuba Grande”.

O Partido Verde informa que “inda empresta total apoio as medidas  judiciais de responsabilidade do Ministério Público Federal e Ministério Público do  Pará sem que a referida consulta seja realizada, pela empresa Celeo Redes Brasil  S.A., referente ao Lote 16 do Leilão n” 004/2018 -da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Pleiteando por uma rápida solução para o empreendimento,  respeitado o direito das comunidades quilombolas, posto que uma energia estável e  suficiente é essencial para o conforto e progresso das cidades envolvidas.  Requerendo, finalmente, que as licenças ambientais de responsabilidade do Ibama  apenas tenham validade se levarem em consideração a vontade daquelas  comunidades”.

A nota é assinada por José Carlos Lima – PV Pará; Eliane Ferreira – PV Amazonas; Shirley Torres – PV Acre; Zezé Nunes – PV Roraima; Aires Mota – PV Rondônia; Aluizio Leite – PV Mato Grosso.

Determinação é absurda, dizem quilombolas


Em entrevista à redação integrada de O LIberal, nesta segunda-feira (8), Raimundo Magno Cardoso, integrante da Malungu, a Coordenação das Associações das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Pará, também criticou a decisão.

“É um absurdo essa determinação da Fundação Cultural Palmares. A situação da pandemia do coronavírus, por si só, constitui-se em um grave problema para as comunidades quilombolas, até porque não existem políticas formuladas para o enfrentamento da covid para os quilombolas, em nível nacional, estadual e nos municípios, o que já faz com que as comunidades quilombolas tenham que padecer, sofrer e voltar a sua preocupação para o enfrentamento da covid”, afirmou Cardoso.

A Coordenação das Associações das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Pará, diz que, “seguindo a  política do governo federal”, a Fundação Palmares cria um problema adicional às comunidades durante a pandemia. “Infelizmente, é uma política de Estado que, desde o seu início, tem como essência a destruição do legado cultural, histórico e tradicional das comunidades quilombolas, desrespeitando, assim, a Convenção 169, que nos dá direito à consulta livre, prévia e informada”, avalia Cardoso.

“Se isso não acontece agora na fase inicial, então a consulta prévia, livre e informada vira consulta póstuma às comunidades quilombolas. Nós repudiamos veementemente a determinação da Fundação Cultural Palmares, que desconsidera toda a luta, todo o direito que está aí no arcabouço jurídico do Brasil. Infelizmente, é repugnante essa decisão”, comentou a entidade.

A redação integrada de O Liberal entrou em contato com a Fundação Palmares e também com a Celeo Redes Brasil S.A, responsável pela construção da linha de transmissão de energia entre as cidades de Oriximiná, no Pará, e Parintins, no Amazonas, para que comentem a manifestação do MPF e das comunidades. Acompanhe.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend