Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 22 de October de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Helder decide vetar projeto sobre fake news já sancionado

Por ORM
Publicado em 08 de maio de 2020 às 15:41H

Compartilhe:
Helder decidiu vetar lei sobre fake news (Ivan Duarte / Arquivo O Liberal)

O governador Helder Barbalho voltou atrás e vai vetar, integralmente, o projeto de lei aprovado na quarta-feira (6), na Assembleia Legislativa do Pará, proibindo a criação, difusão, o compartilhamento virtual “de conteúdo noticioso suspeito e/ou ofensivo à honra e à dignidade alheia, ou de atentado à ordem pública e ao Estado Democrático de Direito”.

Com o argumento de tentar coibir as chamadas fake news, principalmente neste período de pandemia, o projeto foi aprovado na sessão online e, nesta sexta-feira, 8, a sanção foi publicada no Diário Oficial do Pará. Mas o teor da nova lei gerou duras críticas, pois seu texto possibilitava uma censura prévia. 

Pela matéria original, ficava proibida a criação, a divulgação e o compartilhamento virtual, “de fotos, vídeos, áudios, informações e opiniões sem a devida comprovação da veracidade do conteúdo e/ou notoriamente falsas, com objetivo de provocar a desinformação, causar constrangimentos a pessoas físicas e jurídicas, e que objetivem manchar a honra pessoal de autoridades constituídas ou expor a intimidade de pessoas e/ou da família”. Ainda pelo texto aprovado pelos parlamentares, caracteriza-se crime virtual a criação, a divulgação ou o simples compartilhamento virtual de conteúdo ou informação ofensiva suspeita de ser falsa ou mentirosa. A matéria dizia ainda que as penalidades aplicáveis aos que vierem a ser considerados culpados ou infringirem os dispositivos desta Lei, deverão ser arbitradas mediante decreto regulamentador da lei.

PGE

Em nota, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) informou que a lei que trata sobre fake news, publicada no Diário Oficial desta sexta-feira (8), será vetada integralmente. O órgão esclareceu que ainda que irá analisar a constitucionalidade da matéria. Respondendo aos seus seguidores, o governador Helder Barbalho também anunciou que iria vetar a matéria.

A lei foi originada a partir de duas propostas semelhantes, apresentadas por Igor Normando (Pode) e Dilvanda Faro (PT). Em suas redes sociais, Igor Normando reconheceu alguns “equívocos” na redação do projeto e informou que ele seria vetado integralmente. “Não temos compromisso com o erro, se errar, admitimos e corrigimos. Não existe vergonha em errar, principalmente quando se quer acertar. Sigamos!”, escreveu. “Lembrando que o projeto foi modificando na Comissão de Constituição e Justiça, apresentando diferenças do original, apresentados por mim e pela deputada Dilvanda, o que me causou surpresa, mas, que será corrigido”.
Procurado por O Liberal, ele reconheceu que a lei fere a liberdade de expressão, mas afirma que o texto foi alterado na Comissão de Justiça. 

“O meu projeto original não tinha esta redação e a deputada Dilvanda Faro apresentou um projeto similar ao meu. Então, entramos no acordo de que apresentaríamos junto o projeto. Mas ele foi juntado pela própria Comissão de Constituição e Justiça que fez um novo projeto baseado no nosso, o que não deveria ter sido feito. Nessa circunstância, acabou tendo essa redação que houve brecha para que pudesse ser discutido inclusive a liberdade de expressão das pessoas, que não é em momento algum nossa intenção. Nossa intenção é fazer com que a produção e divulgação de notícias falsas, sem assinatura, principalmente, pudessem ser investigadas e condenadas. Nossa ideia jamais seria cercear a liberdade de expressão. Eu particularmente fiquei indignado quando eu vi a redação do projeto e acredito inclusive que não tenha tido cuidado da Comissão de Constituição e Justiça ao fazê-lo”, declarou. 

Ele afirma que vai se reunir com a deputada Dilvanda Faro para elaborar uma nova redação ao projeto, que deve ser apresentado novamente na Assembleia Legislativa.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend