Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 21 de April de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

MPPA pede intervenção judicial caso prefeituras não apresentem solução para aterro sanitário de Marituba

Por G1
Publicado em 24 de setembro de 2020 às 14:48H

Compartilhe:

O Ministério Público do Pará (MPPA) enviou à Justiça nesta quarta-feira (23) um pedido de intervenção judicial nas prefeituras de Ananindeua, Marituba e Belém caso não seja apresentado uma solução para aterro sanitário. O MPPA determinou o prazo de cinco dias para o envio de um cronograma de metas com soluções definitivas para o destino dos resíduos sólidos para cada um desses municípios.

De acordo com o MPPA, a intervenção judicial seria no sentido de designar um corpo de especialistas capacitados e independentes capazes de apresentar um cronograma no prazo de vinte dias. O MPPA requer ainda a imposição de multa pessoal aos gestores pela persistência na inadimplência, além do bloqueio dos bens dos mesmos pelos não cumprimento de um acordo, firmado em 2019.

Segundo o MP, em julho de 2019, um acordo foi firmado, perante ao Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJPA), entre o Estado do Pará, os municípios de Ananindeua, Belém e Marituba e empresas de tratamento de resíduos. O acordo firmado tem como objetivo regulamentar o funcionamento da Central de Processamento e Tratamento de Resíduos de Marituba (CPTR) a 1º de junho de 2019 e vigência por mais 24 meses.

No acordo, as Prefeituras assumiram a obrigação de apresentar um cronograma de metas apontando soluções para a deposição dos resíduos sólidos de cada município em 20 dias, prazo que expirou no dia 22 de julho.

O MPPA informou que ainda em 2019 instaurou um procedimento administrativo par acompanhar o cumprimento de cláusulas do acordo judicial. Ao cobrar pelas propostas dos municípios, o MPPA disse que Marituba se pronunciou, informando que adotaria as medidas, mas solicitou a prorrogação do prazo estabelecido.

Ainda segundo o MP, a prefeitura de Belém disse na ocasião que o cronograma estabelecido no acordo judicial estaria em fase final de elaboração, cujo atraso seja justificado pelo encerramento dos levantamentos que culmiram na elaboração do Plano Municipal de Saneamento e do Plano de Gestão Integrado de Resíduos.

A apresentação do cronograma foi cobrada novamente pelo MPPA em fevereiro deste ano. Na ocasião, os municípios assumiram o compromisso de apresentar respostas. Segundo o MP, até o momento não foi apresentada nenhuma proposta efetivamente.

O MPPA informou que em agosto de 2020, foi solicitado novamente que os municípios apresentassem esclarecimentos sobre o cumprimento da claúsula do acordo. Como resposta a esse novo pedido, a Prefeitura de Belém respondeu que “os atrasos no cumprimento das cláusulas decorreriam da imprescindibilidade da contratação de consultoria para a elaboração de análises técnicas, asseverando, ainda, desde a realização das primeiras reuniões do Comitê Intersetorial teria sido acertado que a proposta de cronograma seria levada para homologação pelo referido órgão”, segundo o MP.

Na ocasião, o MP disse que Marituba respondeu que estaria adotando providências para a busca de uma alternativa para a destinação dos resíduos sólidos, “porém diante da inércia dos demais entes municipais, estaria impossibilitado de apresentar o cronograma referente à Cláusula 4.5 do acordo judicial”.

Segundo o MP, Ananindeua não enviou resposta ao MPPA, ou seja, nem um passo concreto teria sido dado no sentido de que os municípios apresentem com clareza a programação da execução da mencionada cláusula 4.5 do acordo feito em julho de 2019.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend