Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 23 de October de 2019
Sistema Floresta

Paraense comprometeu quase metade do salário para sobreviver em 2018

Por Dol
Publicado em 08 de janeiro de 2019 às 11:52H

Compartilhe:

Com a cesta básica mais cara, o paraense precisa “se virar nos trinta” para se alimentar minimamente bem. É o que mostra uma pesquisa divulgada nesta terça-feira (8) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

O levantamento aponta que em dezembro último, a alta da cesta básica foi expressiva, com um aumento de 2,71%, totalizando R$ 328,31. Na visão do economista e supervisor do Dieese, Roberto Sena, esse valor exige do paraense e sua família quase dois salários mínimos como garantia de suas necessidades.

“O custo da cesta básica para uma família padrão paraense, composta de dois adultos e duas crianças, ficou em R$ 1.146,93, sendo necessários, portanto, cerca de 1,2 salários mínimos para garantir as mínimas necessidades do trabalhador e sua família, somente com alimentação”, avalia.

SALÁRIO MÍNIMO NÃO É SUFICIENTE

Não surpreende que aquele dinheirinho suado no fim do mês ficou comprometido. A pesquisa afirma que, para comprar os itens mais básicos da lista, foi necessário que o trabalhador comprometesse 43,57% do seu salário mínimo de R$ 954.

Um dos motivos desse ‘comprometimento’ do salário foi por conta dos reajustes sofridos em 2018. Como é o caso do tomate, que apresentou alta de 49,74%, seguido do Arroz (21,10%), do leite (15,25%) e do pão (6,16%).

“O salário mínimo necessário para atender as necessidades básicas deveria ser de R$ 3.960,57, sendo que este valor é quatro vezes mais do que o atual em vigor [R$ 954 até o dia 31 de dezembro último]”, explica Sena.

Veja abaixo o quadro demonstrativo que mostra a variação de preços dos produtos mais básicos que compõem a mesa do paraense:

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend