Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 04 de June de 2020
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

IBGE mostra envelhecimento da população no Brasil

Por G1
Publicado em 23 de maio de 2019 às 13:05H

Compartilhe:

A pesquisa do IBGE mostra como a população brasileira está envelhecendo. E os jovens penam para entrar no mercado de trabalho.

Seu Oswaldo se formou em engenharia em 1973, um ano em que a economia brasileira cresceu impressionantes 14%. “Quando eu me formei eu tinha três empregos”, conta.

Cinquenta anos separam o seu Oswaldo da Jéssika. Ela vai ser engenheira também. Ainda não se formou, mas já está procurando emprego e preparada para esperar. “Todos os lugares que a gente busca, eles querem experiência. E, como é o primeiro emprego, essa experiência nunca tem, quer dizer, então, dificulta”, lamenta a estudante Jéssika Cunha.

Essa barreira do primeiro emprego prejudica não só os jovens, mas a economia como um todo. “Lá na frente, quando eventualmente a economia se recupera e esse indivíduo entra no mercado de trabalho, ele entra com uma produtividade menor. E aí se a gente tem gente produzindo menos, a gente cresce menos”, afirma Bruno Ottoni, pesquisar da FGV/IBRE.

Durante boa parte da nossa história, a maioria da população foi formada por jovens. O Brasil não tem experiência em ser um país de pessoas experientes. O desafio agora é enfrentar os novos problemas sem esquecer as antigas barreiras.

Até a década de 1980, a população brasileira tinha o aspecto de uma pirâmide: muito mais jovens do que idosos. Mas esse formato foi mudando e, no último Censo, mais parece uma caçamba. As projeções do IBGE para 2060 indicam que começaremos a ver um funil etário, ou seja, mais idosos do que jovens.

A pesquisa desta quarta-feira (22) também revela outra mudança: o aumento do número de pessoas que se declaram pretas ou pardas, de acordo com a nomenclatura oficial do IBGE. Em 2012, as pessoas declaradas brancas eram 46% da população, caindo para 43% em 2018. No mesmo período, os que se reconhecem como negros subiram de 7% para 9%. O percentual dos que se dizem pardos subiu de 45% para 46%.

“A gente percebe, principalmente, o crescimento das pessoas pretas e pardas, que pode, sim, estar ligado a políticas afirmativas de conscientização, trazendo uma outra perspectiva cultural para essas pessoas. A ponto delas se declararem pertencendo a uma cor ou outra”, afirma Adriana Beringuy, analista da PNAD Contínua/ IBGE.

Enquanto estuda, Jéssika se prepara para um futuro em que cada página virada é uma barreira quebrada. “Difícil ver um negro no mercado de trabalho em uma faixa alta. Então, eu estou estudando, passei no vestibular da Uerj para Engenharia Civil, então já é um cargo alto. Eu vou chegar lá e vou ser uma engenheira civil, independente da cor”, disse.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend