Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 28 de October de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Em reviravolta, 2ª turma do STF decide votar liberdade de Lula

Por Exame
Publicado em 25 de junho de 2019 às 15:45H

Compartilhe:
Lula: Cármen Lúcia e Edson Fachin já votaram contra a liberdade do ex-presidente em dezembro do ano passado (Victor Moriyama / Stringer,/Getty Images)

A Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta terça-feira (25) que vai analisar dois processos que podem colocar em liberdade o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso na sede da Polícia Federal em Curitiba, desde abril do ano passado.

Um dos habeas corpus é aquele em que o petista acusa o ex-juiz federal Sergio Moro de parcialidade ao condená-lo no caso do triplex do Guarujá.

Cármen Lúcia e Edson Fachin já votaram contra o pedido em dezembro do ano passado, quando o ministro Gilmar Mendes pediu vista do caso, e adiou o julgamento. Recentemente, o ministro havia liberado o HC para a turma do tribunal, mas depois pediu que o caso fosse retirado da pauta.

Mesmo sem devolver a vista, Gilmar propôs nesta terça-feira (25) que o colegiado discutisse hoje se não concede uma medida para o petista ficar em liberdade até a conclusão do julgamento do caso Moro.

“Diante das razões que eu expus, e do congestionamento da pauta, havia indicado o adiamento. Tem razão o nobre advogado (de Lula) quando alega o alongamento desse período de prisão diante da sentença e condenação confirmada em segundo grau. Como temos toda a ordem de trabalho organizada, o que eu proponho é de fato conceder uma medida para que o paciente aguardasse em liberdade a nossa deliberação completa. Encaminharia nesse sentido, se a o colegiado assim entendesse”, disse Gilmar Mendes no início da sessão.

Defesa inicial

Durante exposição inicial, a defesa pediu que o petista aguarde em liberdade até a conclusão do julgamento em que o ex-juiz  é acusado de agir com “parcialidade” ao condená-lo no caso do triplex do Guarujá.

O advogado Cristiano Zanin disse que houve violações na condução do caso do triplex do Guarujá por Moro, “que vão desde o cerceamento do direito à prova” ao “indeferimento contínuo de todo e qualquer requerimento da defesa”.

“E hoje sabemos que a defesa era meramente tratada de maneira formal. Porque os prestigiados eram os acusadores, desde o início do processo”, disse Zanin. O advogado destacou também que Lula está preso há 444 dias, após ser condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

“Vemos um cenário de manifesta violação ao Estado de Direito, há manifesta violação a garantias fundamentais, e decisão condenatória proferida por juiz claramente suspeito que foi o responsável por formular e processar essa ação que hoje desemboca nessas ações. O que a defesa pede a esta Suprema Corte é que analise todo esse itinerário processual, marcado por manifestas violações às garantias fundamentais, que resultou em condenação injusta, ilegal”, criticou Zanin.

Representante da Procuradoria-Geral da República, o subprocurador Carlos Vilhena afirmou que os argumentos apresentados pela defesa são insubsistentes e destacou que todos os pontos alegados pela defesa do ex-presidente foram rebatidos no parecer da PGR, que pede que o STF negue o habeas corpus de Lula.

STJ

O outro habeas corpus envolve uma decisão de Félix Fischer, ministro e relator da Lava Jato no Supremo Tribunal de Justiça (STF), que em decisão individual no ano passado, negou o recurso da defesa e decidiu encerrar a questão no STF. A defesa de Lula recorreu por meio de um agravo regimental, recurso que precisa ser analisado pelo colegiado.

No entanto, em abril, a Quinta Turma do STJ — em decisão colegiada e unânime — confirmou depois a condenação do ex-presidente por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso, mas reduziu a pena do petista de 12 anos e 1 mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão.

Isso significa que existe a possibilidade de esse recurso de Lula no Supremo ter “perdido o objeto”, já que a Quinta Turma do STJ fez ajustes na decisão monocrática de Fischer. Na prática, essa decisão monocrática de Fischer, contestada por Lula no Supremo, não existe mais.

A Segunda Turma está realizando a última sessão do primeiro semestre antes do recesso, e os advogados do petista queriam que o processo fosse julgado antes da interrupção dos trabalhos.

“É um caso que precisa efetivamente ser julgado porque envolve um ex-presidente que está preso. É um habeas corpus que já teve julgamento iniciado em dezembro de 2018. Queremos que o habeas corpus seja julgado hoje”, disse Cristiano Zanin, advogado do ex-presidente antes da sessão.

Parlamentares do Partido dos Trabalhadores acompanham a sessão. Estão presentes os senadores Jaques Wagner (PT-BA), Paulo Rocha (PT-PA) e Humberto Costa (PT-PE), entre outros.

Roteiro

A Segunda Turma do STF vai julgar primeiramente um habeas corpus de Lula contra decisão individual do ministro Felix Fischer. O ministro Edson Fachin já votou contra o pedido de liberdade, alegando que o Supremo não deve se insurgir contra decisão do STJ.

Depois do julgamento desse habeas corpus contra decisão do STJ, os ministros deverão discutir o segundo caso, que envolve a suspeição de Moro.

Mendes já defendeu a possibilidade de Lula sair da prisão e aguardar em liberdade até a conclusão do julgamento do processo. Ou seja, o magistrado propôs “uma saída intermediária”: que Lula aguarde em liberdade até a Segunda Turma julgar definitivamente a questão.

(Com Estadão Conteúdo)

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend