Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 21 de April de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

SUS oferece 19 vacinas grátis contra doenças infecciosas

Por Dol
Publicado em 03 de abril de 2018 às 10:56H

Compartilhe:

Disponibilizadas gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), as vacinas podem ser a grande chance de se prevenir contra doenças que podem causar câncer ou até mesmo levar à morte. Atualmente, o Calendário Nacional de Vacinação estabelecido pelo Ministério da Saúde oferece a possibilidade de imunização por 19 vacinas. Desde que o Programa Nacional de Imunizações (PNI) foi formulado, em 1973, o Brasil já conseguiu erradicar doenças como a varíola e poliomielite (paralisia infantil).

Epidemiologista e infectologista, a médica e professora da Universidade Federal do Pará (UFPA), Helena Brígido, destaca que a vacinação é a principal arma que a população tem hoje contra as doenças infecciosas. “Se o sarampo acometer crianças recém-nascidas, a possibilidade de óbito é muito grande”, exemplifica. “Outras vacinas previnem contra doenças que podem evoluir para um câncer, como a Hepatite B (que pode causar câncer de fígado) e o HPV (que pode causar câncer de útero e de pênis)”, completa.

Para fazer valer o principal objetivo das vacinas, a prevenção, o Brasil adota um Calendário Nacional que prevê a imunização de determinadas doenças de acordo com a faixa etária, que vai desde a primeira infância até a terceira idade.

GRAVIDEZ

A médica explica que, em alguns casos, as vacinas previstas são primordiais para resguardar a saúde de mulheres e dos fetos durante a gestação. “As mulheres em idade fértil precisam dar atenção especial porque há vacinas que não podem ser tomadas durante a gestação, mas que são importantes para os bebês. Então é preciso que as mulheres já estejam protegidas quando engravidarem”.

Um exemplo citado pela médica é a rubéola. Caso a mulher não esteja imunizada previamente e, por acaso, contraia a doença durante a gravidez, a rubéola pode provocar má formação no feto ou até mesmo aborto.

Outro exemplo de prevenção – desta vez para qualquer fase da vida – é a vacina contra o tétano, doença infecciosa causada por uma bactéria que penetra no organismo através de ferimentos na pele. Quando agravada, a doença pode levar a óbito. Porém, caso a pessoa esteja vacinada e imunizada contra o tétano, não corre o risco de contrair a doença no momento de um acidente ou corte.

Apesar de campanhas de vacinação serem realizadas ao longo do ano para chamar a atenção da sociedade quanto a necessidade de vacinação contra determinada doença, Helena Brígido lembra que o Ministério da Saúde é obrigado a manter a vacinação em todas as unidades de saúde do país de janeiro a janeiro. Dessa forma, o meio de prevenção está acessível à população continuamente.

AÇÃO

Brígido explica que as vacinas são produzidas a partir de pequenas partículas do material causador da doença. Ela utiliza a Febre Amarela como exemplo. Para produzir a vacina que previne contra a doença, pequenas partículas do vírus atenuado da Febre Amarela são manipuladas em laboratório. As partículas, é claro, não são suficientes para causar a doença na pessoa.

Ao tomar a dose, o organismo do indivíduo identifica a presença daquelas pequenas partículas e produz anticorpos para combatê-las. Essa proteção faz com que, quando a pessoa tiver contato com o vírus vivo da Febre Amarela, não contraia a doença por já possuir os anticorpos necessários.

Algumas vacinas podem causar efeitos colaterais, mas o percentual é muito pequeno. Segundo a médica, o risco de contrair a doença (caso não vacinado) é muito maior do que a pessoa sentir efeitos colaterais da vacina. Normalmente, quando há efeito colateral, os sintomas sentidos sãos mais simples, como febre, a pessoa pode sentir o corpo mole e sentir o local (onde recebeu a injeção) dolorido por alguns dias.

PARA ENTENDER

O calendário de vacinação 2018 pode ser consultado no site www.saude.gov.br.

O último caso de poliomielite registrado no Brasil ocorreu na Paraíba em março de 1989. Já o último caso de varíola notificado no país foi em 1971. A erradicação das doenças é devida a vacinação da população ao longo dos anos.

(Cintia Magno/Diário do Pará)

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend