Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 30 de July de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Ministério Público Estadual pede bloqueio dos bens do presidente da câmara de Tucuruí

Por G1
Publicado em 18 de abril de 2016 às 23:22H

Compartilhe:

4671117Após uma operação que aconteceu no final de 2015, a qual recebeu o nome de “Operação Citronela” realizada na Câmara Municipal de Tucuruí, que vereadores vem sendo investigados por suspeitas de irregularidades na casa.

Na ocasião, diversos documentos, computadores e pastas foram aprendidas e encaminhadas ao Ministério Público Estadual MPE. Entre as principais suspeitas, estavam diárias pagas a assessores da câmara de Tucuruí.

O presidente da Câmara de Vereadores do Município de Tucuruí, Daivyson Furtado da Silva é acusado pelo Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) de responsabilidade por dano ao patrimônio público e improbidade administrativa, por autorizar e usufruir do pagamento de diárias a vereadores e servidores da Câmara Legislativa sem comprovação da finalidade pública das mesmas, o que caracteriza fraude de desvio de dinheiro público.

Na ação, o MPPA pede a condenação do presidente da Câmara, a perda do cargo público, a suspensão dos direitos políticos, o bloqueio de bens, multa e a proibição de contratar com o poder público, além da devolução aos cofres da Câmara de Tucuruí dos valores recebidos nas diárias.

Operação Citronela
A Ação Civil é desdobramento da “Operação Citronela”, deflagrada em dezembro de 2015 pela Promotoria de Justiça de Tucuruí em parceria com o Núcleo de Combate à Improbidade Administrativa e à Corrupção (NCIC) e Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que efetuou mandados de busca e apreensão de documentos relativos à licitação, contratação e pagamentos realizados pela Câmara Municipal.

Posteriormente os demais vereadores e servidores também serão responsabilizados pelos atos.

Entenda o caso
A Promotoria de Justiça de Tucuruí instaurou em janeiro deste ano, diversos inquéritos civis a fim de apurar o pagamento de diárias de supostas viagens que não possuem comprovação de veracidade e de finalidade pública. As mesmas eram realizadas por vereadores e servidores da Câmara, no período de 2013 a 2015.

As análises realizadas nos documentos apreendidos durante a Operação Citronela apontam que desde o ano de 2013 até 2015 mais de 300 diárias foram pagas pela Câmara a vereadores e servidores da instituição, que solicitaram as mesmas sem comprovação e demonstração de, ao menos, o local de destino das supostas viagens.

Em resposta, o vereador Daivyson da Silva disse que para legalizar o pagamento de diárias basta apresentar a declaração do próprio vereador ou servidor afirmando que estaria viajando para determinada cidade para tratar assuntos de interesse do Poder Legislativo.

Entretanto, o servidor público ou agente político deve provar documentalmente, antes e depois da viagem, a veracidade do deslocamento e o seu local de destino, além da finalidade pública representando o Poder Legislativo de Tucuruí, a fim de que ocorra a liberação do dinheiro público para o pagamento da diária.

As promotoras Francisca Suênia, Amanda Lobato e Adriana Passos dizem que o presidente da Câmara autorizava as passagem de forma irregular. “Ele o fazia de forma desmedida, imoral e irresponsável as diárias, já que todas, sem exceção passavam pelo seu comando, já os beneficiários, não provaram terem existido no ‘mundo dos fatos’ e muito menos provaram as suas finalidades públicas”, asseveram

A Promotoria de Justiça esclarece que ainda não possui o valor preciso das diárias pagas aos agentes públicos e políticos, devido o material apreendido na Operação ainda não estar com a análise totalmente concluída.

Entramos em contato com o presidente da câmara e por telefone, ele nos informou que apresentará todos os documentos necessários na audiência e que a constituição que cada vereador tem direito a 8 assessores e não foi criada por ele, mas que irá apresentar documentos para comprovar o número de assessores. Além disso, o repasse da câmera é equivalente a 7% do repasse.

Sobre as diárias, ele diz que tribunal de conta pede apenas um relatório e que e não pede requisição de combustível, hotel ou qualquer outro comprovante.

Nos próximos dias, o presidente da casa, deve fazer um pronunciamento a respeito do assunto através de nota ou nas emissoras locais e regionais.

 

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend