Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 19 de October de 2021
Sistema Floresta
SBT Ao Vivo

Juiz libera importação privada de vacinas sem doação ao SUS

Por R7
Publicado em 25 de março de 2021 às 23:33H

Compartilhe:

A Justiça do Distrito Federal autorizou, nesta quarta-feira (25), que o Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, a Associação Brasiliense das Agências de Turismo Receptivo e o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo comprem vacinas da covid-19 por conta própria e imunizem seus associados sem repassar as doses ao SUS (Sistema Único de Saúde).

O juiz substituto Rolando Valcir Spanholo, da 21ª Vara do Distrito Federal, considerou inconstitucional a obrigatoriedade de entidades como sindicatos e associações doarem ao SUS vacinas que venham a ser adquiridas por eles. Sancionada neste mês pelo presidente Jair Bolsonaro, a lei foi uma iniciativa do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (MDB-MG), e determina que a iniciativa privada deve encaminhar os medicamentos ao poder público até que os grupos prioritários sejam imunizados.

Na decisão, Spanholo avaliou que a lei federal se trata de “usurpação” da propriedade privada. O magistrado destacou, ainda, que a decisão pode acelerar o processo de vacinação que, na avaliação dele, é considerado lento.

O juiz ainda escreveu que, segundo o Plano Nacional de Imunização, do Governo Federal, “grande parcela da população economicamente ativa (média etária entre 25 a 60 anos) ficará excluída da vacinação por praticamente mais quase um ano”. 

Spanholo entendeu que, além dos problemas técnicos de ordem constitucional, a exigência de doação gerou um retrocesso e acabou (na prática) desestimulando a participação da sociedade privada no processo de imunização contra o coronavírus.

O juiz sustenta, na decisão desta quinta-feira (25), que a lei é deficiente e insuficiente para cumprir o papel de garantir o direito fundamental à saúde e à vida dos brasileiros (que serviu de justificativa para a sua edição).

“Infelizmente, ultrapassamos a marca de 300 mil mortos. Estamos vivendo uma guerra diária! Não podemos  mais  desperdiçar  qualquer  chance  de  salvar  vidas  e  os  pilares  da  economia  (empregos,empresas, arrecadação de tributos etc.)”, destacou o juiz.

A ação foi uma iniciativa do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo e também vale para entidades que entraram com ações idênticas, como a Associação Brasiliense das Agências de Turismo Receptivo e o Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais. Inicialmente, a decisão beneficia apenas essas três entidades, mas poderá levar a outros pedidos por parte de empresas.

A reportagem tenta contato com o Ministério da Saúde e com os sindicatos para comentarem sobre o despacho.

ALMG

A decisão do juiz repercutiu dentro da ALMG (Assembleia Legislativa de Minas Gerais). Após a publicação do despacho, o presidente da Casa, deputado Agostinho Patrus (PV), soltou um comunicado direcionado ao Sindicato dos Servidores, afirmando que a categoria precisa “ter paciência e a responsabilidade” de esperar a vez deles para a vacinação.

“A imunização é direito de todos, mas enquanto temos poucas vacinas, deve ser aplicada em quem mais precisa. Vamos proteger primeiro quem está na linha de frente, quem pertence aos grupos prioritários. Não é correto buscar a justiça para mudar isto. Eu quero ser imunizado. Todos querem, mas as doses ainda são insuficientes”, declarou Agostinho Patrus.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend