Carregando...
Ao Vivo
Carregando...
Tucuruí, 23 de July de 2024
Sistema Floresta

Presidente sanciona lei que protege populações atingidas por barragens

Por Floresta News
Publicado em 16 de dezembro de 2023 às 09:49H

Compartilhe:

A Lei reconhece formalmente quem são os atingidos por barragens no Brasil e estabelece direitos para essas populações, como indenizações e compensações individuais e coletivas

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou na sexta-feira (15/12), o projeto que institui a Política Nacional de Direitos das Populações Atingidas por Barragens (PNAB) (PL 2.788/2019).

A PNAB é uma proposta que há anos vem sendo debatida em diferentes frentes, tanto no Executivo, como no Legislativo. Com a articulação do governo federal, a votação do Projeto de Lei foi concluída no dia 14 de novembro, no Congresso Nacional e, agora, com sanção, tornou-se Lei.

“Um significado concreto é a existência, a partir de agora, de uma legislação que prevê proteção aos atingisdos por barragens e prevenção aos acidentes, repactuação, no caso de acidentes, participação da sociedade civil organizada nos processos de repactuação, nos processos de protenção e prevenção da vida em suas variadas formas”, destacou o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Márcio Macedo. 

A Lei reconhece formalmente quem são os atingidos por barragens no Brasil e estabelece direitos para essas populações, como indenizações e compensações individuais e coletivas.

Também garante a participação social nas negociações com o poder público e empreendedores privados, nos casos de desastres e também de construção, operação e desativação de barragens.

O texto aprovado pelo Congresso determina as obrigações da empresas para efeito de indenizações e reparações. O objetivo é que não se repitam as situações de violações de direitos e demora excessiva na compensação das famílias e do meio ambiente, como nos casos de Mariana e Brumadinho.

De acordo com a Lei, será considerada população atingida por barragem quem sofrer pelo menos uma de dez situações apresentadas, entre as quais: perda da propriedade ou posse de imóvel; desvalorização desses lotes; perda da capacidade produtiva das terras; interrupção prolongada ou alteração da qualidade da água que prejudique o abastecimento; ou, ainda, perda de fontes de renda e trabalho.

Nos casos de incidente ou de acidente da barragem, ocorrido ou iminente, deve ser considerado o princípio da centralidade do sofrimento da vítima, com vistas à reparação justa dos atingidos e à prevenção ou redução de ocorrência de fatos danosos semelhantes.

“Agora o Estado brasieliro tem uma referência do que é atingido, quais são seus direitos, quais tipos de programas precisam ser feitos. Como está tendo um processo de negociação, a Lei vira uma referência para essa negociação”, ressaltou Joceli Andrioli, do Movimento de atingidos por Barragens (MAB). 

O texto engloba tanto as barragens de produção industrial e mineral quanto as de hidrelétricas, e outras que, a partir das suas construções, possam atingir populações locais.

O programa de direitos deverá financiar ações específicas destinadas a mulheres, idosos, crianças, pessoas com deficiência e pessoas em situação de vulnerabilidade, populações indígenas e comunidades tradicionais, pescadores e trabalhadores da obra.

A Secretaria-Geral da Presidência da República (SGPR), em sintonia com a Secretaria de Relações Institucionais (SRI), articularam com diversos órgãos de governo relacionados à proposta e tiveram papel fundamental na negociação com o Congresso Nacional para essa aprovação.

Com as informações da Secretaria-Geral da Presidência da República.

Ao vivo
Floresta 104,7MHz
Carregando...

Send this to a friend